Discografia Scorpions – [CAPÍTULO 19]

{ Moment of Glory – álbum e premium tour: 2000 }

O ano 2000 começa muito corrido para os alemães de Hanover. Logo em Janeiro vão para o estúdio começar alguns testes de gravação para um trabalho completamente novo e inédito para a banda até o momento.

Desde 1995 (não comentamos aqui para o bem do segredo) as duas Mercedes da música alemã (os SCORPIONS e a Filarmônica de Berlim) já vinham ensaiando e preparando um trabalho em conjunto. Mas foi apenas após a apresentação de Novembro de 1999 que ambas as partes de sentiram confiantes e no momento ideal para efetivamente começarem as gravações.

Logo no início, os arranjos ficaram a cargo do compositor Andrew Powell. Mas o resultado final não agradou a nenhuma das partes envolvidas pois a participação da filarmônica havia sido muito diminuta. O trabalho foi então oferecido a Michael Kamen, mas este declinou para se dedicar ao álbum S&M do Metallica.

Finalmente, a incunbência ficou para o australiano Christian Kolonovits que provou ser o colaborador ideal para o trabalho em conjunto.

E com os arranjos criados por Kolonovits os trabalhos e gravações de estúdio perduram até Abril do ano 2000. A publicação do Moment of Glory (Momento de Glória) acontece em 19 de Junho do mesmo ano.

Lineup:

Klaus Meine: Vocal

Matthias Jabs: Guitarra, backing vocal

Rudolph Schenker: Guitarra-base, backing vocal

Ralph Rieckermann: Baixo, backing vocal

James Kottak: Bateria, percussão

Christian Kolonovits: Condução da Filarmônica de Berlim

Tracklist:

Faixa Título Compositor Duração
1 Hurricane 2000 Meine, Rarebell, Schenker 6:04
2 Moment of Glory Meine 5:08
3 Send Me an Angel¹ Meine, Schenker 6:19
4 Wind of Change Meine 7:36
5 Crossfire (instrumental) Meine, Schenker, Sedoj 6:47
6 Deadly Sting Suite Maine, Rarebell, Schenker 7:22
7 Here in My Heart² Warren 4:20
8 Still Loving You Meine, Schenker 7:28
9 Big City Nights Meine, Schenker 4:37
10 Lady Starlight Meine, Schenker 5:32

¹ Zucchero – Vocal convidado; ² Lyn Liechty – Vocal convidada

Existem duas versões distintas do álbum Moment of Glory. A primeira e mais comum de ser encontrada é justamente a do tracklist acima, publicada no ano 2000. Mais tarde, em meados de 2003 e repetindo a dose em 2004 o mesmo álbum foi publicado porém sem Lady Starlight e Still Loving You.

Tour:

A primeira apresentação ao vivo de Moment of Glory foi na Expo 2000, feira mundial realizada na cidade natal dos SCORPIONS, Hanover (!!!) alguns dias após a publicação do álbum. Moment of Glory foi o tema oficial da feira, muito popular na Europa por mesclar exibições de diversos tipos de cultura mundiais em vários sentidos.

Uma turnê premium deu continuidade ao trabalho, levando os alemães e a filarmônica de Berlim para mais sete cidades da Europa, passando por Rússia, Áustria e Holanda. Nestas apresentações, Christian Kolonovits revezava com Scott Lawton a condução da orquestra.

Avaliação:

Scorpions com um sabor diferente! Esta deve ser a impressão da maioria ao ouvir Moment of Glory pela primeira vez. Entretanto, aqui mais uma vez pode haver a divisão em dois grupos distintos: apreciadores de alguma vertente de música clássica e fãs rígidos do estilo heavy rock.

Para o primeiro grupo, será um trabalho soberbo, misturando e mesclando gêneros musicais de uma forma incomum. Estes considerarão um trabalho primoroso.

Para os mais inflexíveis, julgarão o Momento of Glory como apenas uma viagem musical, beirando fronteiras diferentes. Seria algo indiferente.

Porém acredito que ninguém de ambos os grupos considerará um trabalho ruim ou pior. Afinal, a essência dos (já velhos) alemães está lá e a essência de uma orquestra ou um trabalho envolvendo orquestra também. Por estas razões, mais uma vez, o disco pode ser considerado muito bom!

Ainda assim, muitos podem se desapontar ao ouvirem Klaus Meine dar lugar a alguns convidados no vocal de músicas consagradas da banda alemã. Mas para os que ficaram muito chateados, ouçam várias vezes Here in My Heart (que por sinal é uma ótima música) e prestem atenção na performance de Meine. Lyn Liechty que me perdoe mas ela saiu pequenininha, completamente diminuída frente ao alemão! rs.

Cabe aqui um parágrafo polêmico: SEMPRE que falamos em trabalho em conjunto com orquestra surge a dúvida de quem iniciou o gênero. Seriam os SCORPIONS com Moment of Glory, Metallica com S&M ou ainda Aerosmith com Dream On? Isso sem entrar na seara de Steve Vai e virtuosos da mesma estirpe.

Além de datas comprovadas de gravações e publicações, entram na discussão diversas outras variáveis, como esta dos alemães relatada acima no post onde teriam iniciado a flertar com a filarmônica desde 1995. Seria preciso fazer um estudo muito profundo para chegar a uma conclusão imparcial.

Portanto, como mero apreciador do próprio gênero, prefiro considerar que cada um deles teve seu momento, onde achou ser pertinente experimentar novas construções musicais. O resultado, geralmente muito bom salvo raras exceções, agrada aos ouvidos independentemente de ter sido concluído com um, dois ou dez anos de antecedência.

Premiações:

Moment of Glory levou disco de ouro na Alemanha, conseguindo lá a 3a. posição no chart, enquanto na França e Estados Unidos ficou com o 70º e 48º lugar, respectivamente.

Os singles Momento of Glory e Here in My Heart alcançaram as posições 113 e 68 no Reino Unido.

Assim como para os fãs, a mídia também se divide ao avaliar o Momento of Glory: críticos mais ferrenhos e conservadores não o aprovam enquanto outros mais maleáveis e receptivos encontram diversos pontos positivos.

Para seu iPod:

Avaliação do álbum: 3 estrelas ( * * * )

Ouça: Hurricane 2000; Wind of Change; Here in My Heart;  Deadly Sting Suite

Ao ouvir Deadly Sting Suite, repare que esta versão instrumental é baseada em duas outras músicas dos SCORPIONS: He’s a Woman She’s a Man e Dynamite.

Veja também: a versão em DVD de Moment of Glory pois alguns trechos são memoráveis como o início com a cortina caindo, a casaca de couro do maestro Christian Kolonovits, o entusiasmo e empolgação característico dos alemães e a química entre Meine e Liechty.



Categorias:Aerosmith, Artistas, Cada show é um show..., Curiosidades, Deep Purple, Discografias, Led Zeppelin, Músicas, MetallicA, Resenhas, Scorpions

8 respostas

  1. Eu gosto muito desse disco! Pra mim é o melhor álbum de uma banda de rock com orquestra que já ouvi!
    Temos versões de arrepiar de ‘Wind Of Change’, ‘Send Me An Angel’, ‘Big City Nights’ e o arrasa-quarteirão ‘Hurricane 2000’. Muito bom!

    Abraços.

    Curtir

    • Marco, realmente um grande disco com orquestra.

      Poria aí, como fã que sou, o S&M do MetallicA, na qual um pouco da história foi muito bem abordada pelo Julio. Muitos consideram o som do S&M “embolado”. Eu, particularmente, não acho.

      Julio, “para variar”, ótimo post desta excelente e super pontual Discografia Scorpions. Parabéns!

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Curtir

  2. O post,como sempre, está excelente, meus sinceros parabéns , Julio!!!
    A orquestra é excepcional, nao é exatamente minha especialidade, mas entendo no meu conhecimento mínimo de um conceito mais erudito, que é uma das melhores que tocaram com as bandas de rock que enveredaram por essa experiência. A banda também dispensa comentários sobre sua qualidade e capacidade. Tinha tudo para ser ótimo, e deve ter sido…..O problema, pra mim, é que não consigo me entusiasmar com esses encontros “metais-sinfônicos” .Num geral, gosto muito das baladas (Wind of Change, está maravilhosa), mas a coisa não vai no meu agrado quando se aumentam os volumes das guitarras..Outro destaque, pra mim, está no DVD, quando tocam We’re Burn the sky, de caráter mais melódica e trazendo aquelas harmonias características da fase Ulrich Roth, ainda que Mathias Jabs não esteja tão à vontade aqui.
    A questão da “embolação” citada acima no Metallica S&M no meu entendimento tem relação direta com a quantidade de “overdrive” que se usa nas guitarras de determinada canção, mas preciso admitir que este é um projeto feito com muita competência.
    Um outro senão talvez seja quando a coisa tende pro lado mais pop (mesmo com arranjo orquestral):Por esse lado, músicas como Moment of Glory e Here in my heart não estão entre as minhas favoritas, e concordo com o Julio, não dá pra comparar o vocal de Lyn Liechty com o soberbo Meine, fica pouco linsonjeiro para a cantora. Também não dá pra comparar Ray Wilson (vocal que tentou substituir Phil Collins no Genesis, sem muito sucesso) com Klaus em Big City Nights.
    Em relação aos projetos sinfônicos, lembro de 2 anteriores a este Scorpions e ao do Metallica: O Unleded,com Jimmy Page e Robert Plant, que traz uma orquestra de Londres em boa parte do conteúdo, apesar de teoricamente ser um projeto acústico e o Concert for a group and Orquestra, que o Deep Purple lançou em 1969.
    Vamos ao proximo capítulo,onde os overdrives vão diminuir ainda mais…

    Saudações,

    Alexandre Bside

    Curtir

  3. Um pouco fora do timing mas ainda em tempo: Na minha opinião um marco de excelência de trabalho com orquestra é a faixa 2 de Concerto Suite for Electric Guitar and Orchestra, de Yngwie Malmsteen, intitulada “Cavallino Rampante”.
    A integração entre a guitarra consistente e os acordes clássicos é magistral!
    Apesar de que dentro de toda gama de instrumentos e acordes que uma orquestra pode oferecer, este álbum limite um pouco sua atuação, afinal é claro, nada pode ofuscar o brilho do ‘genioso’ Malmsteen (mas isso já é outro detalhe a abordarmos em momento oportuno).
    []’s
    Julio

    Curtir

  4. Ainda que eu possa ser considerado um fã “rígido do heavy metal”, confesso que concordo com aqueles que dizem que a música clássica combina com a música mais pesada em termos de força. E gosto, em maior ou menor grau, de todas estas experiências: Metallica, Led, malmsteen, Purple e também gosto bastante deste trabalho do Scorpions. Entendo que as baladas ficam com um arranjo mais sofisticado e menos pop que em muitas gravações originais destas músicas. Concordo também com os elegios a performance do Klaus Meine. Sensacional. Ela superam em muito a dos convidados, mesmo em Send Me an Angel, co-cantada por Zucchero.

    Curtir

Trackbacks

  1. “Heavy” 2nd Birthday, Minuto HM! « Minuto HM

Leave a Reply

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: