Cobertura Minuto HM – Tim Ripper Owens – Manifesto Bar – São Paulo – 11/abr/2019 – resenha

Para incauto leitor que agora passa as vistas nas parcas linhas deste que vos escreve, saiba que ontem rolou no Manifesto Bar em São Paulo o show de Tim Ripper Owens (Judas Priest, Iced Earth, Yngwie Malmsteen, Spirits of Fire). Excelente noite de puro metal.

Tim Ripper não foi diferente de outros artistas que visitam o Brasil nesse formato “solo” e mesclam músicas do repertório clássico da sua principal ex-banda com poucas músicas da sua fase. Não entendo muito bem por que esses artistas fazem isso. Na verdade, todos entendem porquê eles fazem isso. Eles se baseiam no fato de que as pessoas são meio “desavisadas” e querem ouvir clássicos, por exemplo, do Judas Priest e daí, entra Breaking The Law. Acho isso complicado. Acaba virando um show “tributo”.

Vimos isso em alguns shows. O pior foi o de Bruce Kulick (Kiss, Union, Grand Funk…). Ele tocou os medalhões do Kiss e virou um “cover”, ao invés de rechear o repertório de lado B.

Com Tim Ripper foi o mesmo. Ele tocou pouco lado B da sua carreira e apostou nos medalhões do Judas… enfim… faz parte. Eles não partem de uma premissa que o seu público quer ver suas músicas.

Repertórios à parte, o show foi muito bom. Tim Ripper Owens está em ótima forma. Está cantando muito e merece todo nosso respeito. A ocupação da casa estava média e ele estava bem solícito com todos os fãs, tocando em todos do palco, autografando coisas do palco, falando bastante com o público.

A banda formada por brasileiros foi muito competente. Parabéns aos músicos. Todos muito bons.

Tim Ripper tocou um setlist curto. Segue aí:

Metal Gods

Jugulator

Burn In Hell

Painkiller

Lost And Found

Grinder

Hell Bent For leather

Hell Is Home

A banda tocou uma música instrumental do trabalho solo de um dos guitarristas. Música muito inspirada em Malmsteen que mais tarde descobri que era dele

Living After Midnight

Breaking The Law

Death Row

Electric Eye

One On One

Agora fiquem com as piores fotos que uma pessoa pode tirar em um evento…

For Those about to rock… I salute you!

Rolf “Dio” Henrique.

Tentou fazer algo: Eduardo.



Categorias:Artistas, Cada show é um show..., Covers / Tributos, Curiosidades, Judas Priest, Músicas, Resenhas, Setlists, Yngwie Malmsteen

Tags:

7 respostas

  1. Rolf, enquanto não falo do post (que está com todas as suas marcas), o próprio Tim Ripper Owens acaba de vê-lo no Twitter e “liked it” – basta clicar no ícone de coração para ver:

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Curtir

  2. Rolf, “taí” um show que gostaria muito de ter ido de novo, mas que falhou dessa vez, em um fase mais complicada minha. Muito bom você ter ido e ter trazido suas impressões sempre em formato de aula.

    Entendo seu ponto sobre tocar lado B. Tenho a impressão que isso está cada vez mais distante da realidade do que o público em geral quer. Pode ser só impressão, mas com a popularização dos serviços de streaming, noto que a consequência agravou ainda mais este tema. Em resumo, todos querem ouvir hits.

    Em um caso como este, um show solo em uma quinta-feira do TRO, aí eu entendo ainda mais sua posição – ali não deveria ter “gente perdida”, apenas realmente conhecedores da matéria. Mas, mesmo assim, qual foi a música mais cantada da noite? Se não foi Breaking The Law, queimo minha língua em público aqui… me fale…

    Ouvir músicas destes 2 álbuns do TRO no Judas é um prazer, especialmente coisas como One On One, Hell Is Home e minha predileta Burn In Hell.

    Ele está vindo com muita frequência ao Brasil e imagino que isso não deva mudar. Espero estar contigo no próximo!

    https://www.setlist.fm/setlist/tim-ripper-owens/2019/manifesto-bar-sao-paulo-brazil-b9329e6.html

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Curtir

    • Meu amigo eu também espero estar contigo na próxima
      Fui meio sem nenhum planejamento
      Descobri por acaso o show por que mal consigo ler mensagens pessoais de zap ou e-mail e soube do show sem consultar agenda ou sites e aquela minha repulsa de rede social

      Sobre o lance do lado B vimos o Bruce Kulick que talvez tenha sido o show mais “tributo” aud vimos. Nada foi igual Aquilo

      Sobre você ter acertado em BtL é isso mesmo.
      Por outro lado o pessoal até acompanhou bem

      Curtir

Trackbacks

  1. Discografia HM – Spirits Of Fire – novo trabalho de Tim Ripper Owens – Minuto HM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: