Minuto da confissão: o arrependimento por pular músicas ou trechos

Fast_forward_buttonQuem não tiver um “passado negro” nesta, que atire a primeira pedra…

Não tem jeito, todos nós temos. O assunto aqui é trazer aquelas músicas, ou trechos delas, que por muito tempo (as vezes décadas!), seja qual for o motivo (e seria bom que fosse contato, a propósito), nós insistentemente pulávamos… e que, depois, veio o arrependimento!

Para começar a brincadeira, eu já vou logo soltar duas que me “pulam” (que infame) à cabeça:

  • Trapped Under Ice, do Ride The Lightning – MetallicA

Por muitos anos, essa música foi pulada sem dó nem piedade (e Escape continua sendo, a propósito). O motivo? Não que eu a achasse “ruim”, mas nem de longe eu tinha vontade de escutá-la, ainda mais dentro de um disco como este. Eu ouvia o início do álbum, delirava com as quatro primeiras, mas logo queria mesmo era Creeping Death. Para isso, era um duplo pulo.

Como fiz isso por tanto tempo? Um enorme arrependimento toma conta da minha alma, já que hoje a música figura facilmente entre as melhores do álbum para mim.

  • The Rime Of The Ancient Mariner – Powerslave (no meu caso, Live After Death) – Iron Maiden

Ah… essa então… que pecado… que vergonha… mas o motivo é relativamente parecido com o caso de Trapped Under Ice: ouvia as primeiras, na sequência tinha Powerslave (mas mais ainda naquela época, tinha The Number Of The Beast, Hallowed Be Thy Name, Iron Maiden, Run To The Hills)…

Eu não me imaginava ouvindo 13 minutos… e para depois ficar ali tanto tempo naquela parte lenta… eu ouvia o começo da música, e pulava logo para Powerslave, as vezes apenas voltando para a intro que ficava no final de Rime. Outras vezes, eu simplesmente pulava a música até a parte que Steve volta com seu marcante baixo, ouvia-o e pulava a música novamente…

Acho que vou ficar por aqui, já está demais, depois trago outros exemplos nos comentários.

Vamos lá, confesse! Você tem as suas várias também! Aproveite o espaço para se redimir, para “pedir desculpas”…

Obs.: lembre-se que aqui a ideia é colocar casos de arrependimentos, mas fique a vontade para trazer os exemplos que quiser, vamos debatendo…

[ ] ‘ s,

Eduardo.



Categories: Curiosidades, Deep Purple, Dream Theater, Iron Maiden, Kiss, Led Zeppelin, Músicas, MetallicA, Pearl Jam, Pink Floyd, Scorpions, The Beatles

31 replies

  1. Not for the innocent – Kiss – Lick it up……..para me redimir, pedi aos meus irmão B-Side e Remote que ela fosse colocada no repertório do DW04
    Partnes in crime – Kiss – Killers……….quando eu ia pro colégio na 08o. série, eu pulava essa música no almoço……tinha um pacto com a minha mae que eu só saia da mesa, pra pular a agulha do meu Sharp dessa música………
    A World Without Heroe – Kiss – The Elder ……Music From the Elder é uma obra prima….pular algo desse disco é pedir pro ralo acender……..
    Vamos lembrando ai
    Excelente post do nosso presidente…vai ser muito legal ver o que a galera pulou ….o Rolim pular algo do metallica foi irado demais!

    Like

    • Mais uma história do cunho e marca pessoal Rolf.
      Essa da Partners in Crime eu jamais saberia , mesmo depois de tanto tempo de convívio.
      Eu acho a música muito som, aliás todas inéditas do Killers são ótimas. Aquilo é quase um disco solo do Paul Stanley, um mini EP.
      Jamais pularia… Ainda mais que se seguiriam só clássicos. Aqui eu justifico meu apelido e rendo a minha homenagem à canção:

      Aliás , Ace Frehley nos créditos ?!?!?!??!! Nem a pau, juvenal…

      Like

    • A primeira é B-side total e é sempre um prazer vê-los tocando, especialmente o fechamento da música, a troca de olhares de vocês, é sensacional.

      E Rolf, podia dizer o mesmo de você para Kiss, Sabbath, DIO… temos todos nossos pecados de dedo no forward, ou levantadas de agulhas…

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  2. Eduardo, excelente tema , vamos lá :

    Eu até hoje pulo várias das clássicas, mas não sei se isso vale.
    Assim, no tema KISS já trazido pelo Rolf, certamente Rock and Roll All Nite, I love it Loud e principalmente Lick it up ( já que esse disco furou de tanto eu ouvir) eram sempre puladas. Aliás, a Not for the Innocent acima citada pelo Rolf normalmente eu ouvia duas vezes no mínimo. Há uma compensação aqui mesmo no blog, viu Rolf ?
    E aí, blindemos os clássicos, pois eu teria de trazer uma saraivada de faixas por aqui.
    Além disso, alguns solos de bateria em faixas ao vivo eu várias vezes pulei. Confesso que os do Ian Paice nos “lives” do Deep Purple até hoje eu pulo. Mas pulava Moby Dick, do histórico The Songs remains the same. Hoje eu não pulo mais.
    Na sessão arrependimento, vou de Dazed and Confused, versão também do The Songs remains the same, pela duração e improviso que eu não entendia bem. Aliás, eu não entendia nada. Hoje eu continuo sem entender, mas adoro.
    E por último A Change of Seasons, do Dream Theater. Eu ouvia até cerca de um terço da música ( por volta dos 8:44 min da versão abaixo). Dali pra frente eu parava. Depois, me convenci que era um idiota e resolvi gravar a música para ouvir no carro, mas apenas dali pra frente. E passei a gostar da música toda, eu não sabia o que estava perdendo mesmo.

    Se lembrar de mais exemplos, vou trazendo por aqui.

    E estou curioso para saber dos demais.

    Seize the day!!

    Alexandre

    Like

    • Comentário excelente, para variar, e é preciso destacar a parte mais engraçada dele, talvez a parte mais engraçada de um comentário deste blog…

      “vou de Dazed and Confused, versão também do The Songs remains the same, pela duração e improviso que eu não entendia bem. Aliás, eu não entendia nada. Hoje eu continuo sem entender, mas adoro.”

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  3. Nao sei porque eu sempre pulava learning to fly do pink floyd, hoje em dia eh uma das melhores musicas para mim. Certamente sao aquelas coisas sem explicacao !

    Like

  4. Bom eu pulei varias, e vou lembrando e contando.
    Kiss – Killer (Creatures of The Night). Bom, num lado B com I Love It Loud, I Still Love You e War Machine, com Killer entre as duas ultimas – sobrava para ela ser pulada. Killer é a pior do disco até hoje.
    Moby Dick (Led Zep II). Depois de ouvir algumas mil vezes, mesmo com a genialidade de Mr. Bonham, tinha o resto do sensacional disco para ouvir e cansei das baquetas que rompiam o riff genial. Sorry….
    Now!, Dynamite, Arizona, China White (Blackout) – Isso tudo? é… No (talvez) melhor disco do Scorpoins as minhas preferidas eram tão e tantas vezes apreciadas, que eu pulava várias outras. Acho que a culpa é de Now!, que é a que menos gosto até hoje. Uma vez pulada esta, eu já ia direto para a belíssima balada When The Smoke Is Going Down – a última do disco. Hoje não consigo ouvir o disco pulando as outras três, mas Now! continua candidata a uma pulada toda a vez que ouço…
    Eu adorei a idéia e vou trazer mais puladas, deixa eu pensar – ah já tem uma do Powerslave, mas fica pro próximo comentario.
    Remote

    Like

  5. Muito bom! Vou listar algumas, acho que tem outras mas não lembro agora:

    Metallica – Trapped Under Ice. Só depois de velho comecei a gostar da música! Escape ainda não desce fácil rs

    Pearl Jam – Hard to Imagine. Apesar de nunca ser lançada oficialmente, está presente em coletâneas e em shows. Uma bela música!

    Iron Maiden – Infinite Dreams. Por que deixei escapar?

    Abraços!

    Like

  6. Run like Hell – Pink Floyd (The Wall) – O final do CD pra mim perdia a graça e eu pulava bem Run Like Hell. Um completo idiota …

    Deja Vu – Iron Maiden (Somewhere in time) – A ansiedade pra chegar logo “Alexander the Great” fazia eu sacrificar Deja Vu quase toda vez que ouvia o álbum.

    Gangland – Iron Maiden (The number of the beast) – Mesmíssimo argumento de Deja Vu, mas pra chegar logo “Hallowed be thy name”. Hoje eu pego o The number e ouço só ela, como um pedido de desculpas.

    Like

    • Bem, na sessão joguem as pedras, eu até hoje ainda acho que o The Wall perde o fôlego em seu final, assim o comentário tem muita coerência com o meu raciocínio também.
      E Gangland e Deja Vu são talvez as piores de seus álbuns mesmo. Eu não consigo pular Deja-Vu por que o início é lindo e a parte do meio tem um dos melhores instrumentais deste álbum já repleto de musicalidade.. Gangland é mais fácil de pular, sem dúvida.

      Alexandre

      Like

    • Ufa, músicas que não unanimidade até hoje… ótimos exemplos, Kelsei. Aliás, dou as boas-vindas por aqui, no blog!

      Hoje eu não pulo nada, mas também posso dizer que já pulei as 3 citadas em minha vida… especialmente Deja Vu, depois do comecinho dela… hoje, não mais, nenhuma das 3, ainda que Gangland seja a mais fácil para mim a ainda ser pulada, hoje em dia, dependendo do dia…

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  7. Sabe? Deste pecado nem posso me arrepender…

    Nunca fui de pular faixas. Eu queria intensificar a experiência mesmo com faixas que não me agradavam tanto no disco.

    Se eu puder usar um exemplozinho que me deixava meio puto é Ob-La-Di, Ob-La-Da, uma das coisas mais chatas feitas por um gênio da música.

    Fora isso, sempre fui muito tolerante com o que eu gostava.

    É isso.

    Abraço,

    Daniel

    Like

  8. Kelsei e Marcio Villas por aqui
    Isso sim é um Post de impacto

    Like

  9. Vamos a mais confissões por aqui, ainda que em níveis menores, mas que aconteciam…

    Álbum: Killers (Iron Maiden).

    Pulava muito, praticamente sempre (uma bela atitude de anta):

    Pulava tipo 50% das vezes, ou seja, um meio idiota:

    O álbum as vezes acaba em Purgatory… sim, mais uma que não era nem pulada, simplesmente o disco era interrompido muitas vezes – ou seja, que topeira…

    De qualquer forma, o Killers continua sendo o álbum que menos escuto do Iron Maiden do início até o Seventh Son Of A Seventh Son, até hoje, talvez empatado com o No Prayer For The Dying.

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

    • Quanta heresia…três faixas fantásticas, dificil até dizer qual a melhor. O Luciano, que esteve conosco no histórico Monsters de 1994, tinha um banda no fim dos anos 90 que tocava Innocent Exile . Era ótimo vê-los .
      Eduardo, e Gengis Khan ? Também passava aperto ?

      Alexandre

      Like

      • B-Side, não, Gengis Khan nunca passou aperto… sempre achei muito som…

        Aliás, a banda poderia muito bem, mesmo em playback, iniciar seus shows novos com ela ou mesmo com The Ides Of March, mas acho que é mais fácil eu ganhar na mega sena umas 10 vezes…

        Obs.: preparem-se para um futuro ensaio, a definir, portanto, melhor ainda pois vocês já podem ir considerando…

        [ ] ‘ s,

        Eduardo.

        Like

  10. Como eu poderia passar por uma das faixas mais “puláveis” do Kiss…

    Acabei de apertar o botão e avancei para a faixa seguinte.

    Daniel

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: