Discografia HM – [Novos projetos, velhos conhecidos] California Breed

Panela velha é que faz comida boa…

Tenho uma vontade incansável de descobrir bandas novas e expandir o meu vocabulário musical. Essa vontade foi um dos estopins para a série Novidades HM, abraçada pelo time do blog, e que está trazendo aos leitores o contato com novos grupos musicais e novas experiências.

Só que tem horas que esses novos grupos musicais possuem uma figurinha carimbada: um músico que é bem conhecido dentro de sua carreira, solo ou de alguma outra banda. Algumas vezes chamados de “projetos paralelos” (outras não), o que não é escopo do Novidades HM, também trazem muita coisa boa, que muitas vezes passam despercebidos pelos fãs não tão fanáticos.

E volta e meia eu topo com bandas desse tipo: coisas que eu acho que são novas, mas na verdade são projetos novos com velhos conhecidos. E olhando para o teto hoje, resolvi que deveria escrever sobre isso: apresentar bandas (uma por post), extintas ou existentes, que não são escopo no Novidades HM, e que por vezes ignoramos a existência, devido ter um “nome novo”, mas que tem alguém conhecido e que geralmente entrega qualidade.

Para dar um pouco de suspense (se é que vai criar mesmo, sei lá), os títulos só terão a informação do nome da banda, não mostrando quem é a figurinha carimbada. Ideia que tive, assim, rápida como a cerveja que desce goela abaixo em uma dia muito quente, e que pode mudar mais tarde.

E nada mais justo que começar pelo álbum que eu estava ouvindo e que me deu essa ideia.


Banda: California Breed

Figurinha carimbada: Glenn Hughes

Banda de um álbum só. Na formação, o conhecido baixista do Deep Purple (que tem passagem por outras bandas e uma excelente carreira solo), junto de Jason Boham (filho do John Boham) na bateria e Andrew Watt, guitarrista, que também assume os vocais junto de Glenn.

Jason Boham também é um músico conhecido, convenhamos, mas é mais lembrado pelo sobrenome que seu pai construiu no Led Zeppelin do que com suas artimanhas nas baquetas. Não que não seja um bom baterista, mas a “figurinha carimbada”, aqui, eu mantenho o Glenn e fim de papo!

Já Andrew Watt é um daqueles músicos completos, que canta, toca e produz, mas que nunca entrou em algo de peso que ultrapassasse as barreiras dos E.U.A. (até o mês passado, já que ele  é o guitarrista e produtor do último disco de Ozzy, Ordinary Man, e isso deu uma maior projeção de seu nome aqui no Brasil, por razões óbvias).

A banda nasceu da separação do Black Country Communion, que Glenn e Jason eram parte. A cozinha resolveu chamar um novo guitarrista e criar um novo grupo, pois achavam que os artefatos criativos criados com o Black Country deveriam prosseguir.

A audição de seu único álbum, homônimo, é muito prazerosa, com um som calcado nos pilares oitentistas do rock’n’roll, doses de hard-rock e elementos de post-grunge, com uma pela pegada e um belo trabalho de mesa. São pouco mais de 50 minutos que se mantém acima da média todo o tempo, com uma música boa atrás da outra, bons solos de guitarra e até uma balada, All Falls Down.

A banda acabou pouco tempo depois de formada, com o desmanche iniciando com a partida de Jason Bohan, que chegou a ser substituído, mas; após isso, Glenn não achou justo continuar sem a formação original. Mesmo assim, é um álbum que vale a pena parar e sentar para escutar com calma. Sonzeira!

No youtube não há um “vídeo” com o streaming completo do álbum, mas há uma lista com as canções, mas meio que uma miscelânea, com várias performances ao vivo – ou seja, um famoso “catadão” que tiveram a boa vontade de criar. O álbum tem no Spotify e esse eu recomendo para comprar sem medo.

Beijo nas crianças!

Kelsei



Categorias:Curiosidades, Deep Purple, Resenhas

3 respostas

  1. Sim, Califórnia Breed teve repercussão quando a parceria com Bonamassa desandou conforme você menciona aí. Na época achei a banda com vida curta demais e não fazia ideia quem era o guitarrista.
    Muito bom trazer a voz do soul de Glenn Hughes. Esse clipe aí debaixo ele está incomparável.
    Eu gosto de Jason como baterista. Longe de ser um virtuoso mas só em ele trazer a sonoridade do pai e usar os mesmos kits já vale a audição

    Curtir

  2. Tendo ouvido falar bastante deste trabalho, os músicos dispensam maiores comentários. É mais um para ficar na lista interminável de sons que preciso checar. De qualquer forma, Kelsei, vale a dica, ainda mais vindo de um minuteiro.

    Alexandre

    Curtir

  3. Kelsei, que boa ideia fazer posts como esse!
    Talvez se não fosse sair por aqui eu jamais teria curiosidade de ouvir alguma coisa deste projeto. Pois nem o nome banda e nem a capa me chamariam a atenção, possivelmente passaria batido sem que eu soubesse que Hughes e Bonham faziam parte dele.
    Que venham muito mais posts como este post. Um abraço.

    Curtir

Leave a Reply

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: