Cobertura Minuto HM – Scorpions em SP (show 1) – parte 2 (resenha)

Na noite de 20/setembro/2012, com apenas 5 minutinhos (hm) de atraso, aquele sentimento de “não pode ser que acabou” lá de 2010 deu uma trégua por 1h30 de espetáculo: um verdadeiro espetáculo de rock destes alemães que ainda estão em grandíssima forma começava.

Como todas as bandas estão usando e abusando hoje, o palco trouxe lindos telões de alta resolução que mostravam San Bernardino Valley no início da ótima Sting In The Tail, uma música que mais uma vez se mostrou excelente para uma abertura de show e que teve uma resposta melhor do que em 2010.

Abertura da noite, com a faixa do último disco de estúdio lançado pela banda

Abertura da noite, com a faixa do último disco de estúdio lançado pela banda

Os lindos telões de alta resolução

Os lindos telões de alta resolução

Há de se ressaltar que desde o início do show, a qualidade do som da casa estava excepcional: era possível se ouvir cada instrumento com muita clareza e, tão importante quanto, ALTURA – o baixo do Maciwoda, por exemplo, estava deliciosamente alto.

A banda se dá ao luxo de voltar aos anos 80 na sequência com Make It Real, música de abertura do Animal Magnetism. “Boa noite, São Paulo”, interage Klaus com a lotadíssima casa para Is The Anybody There?, do Lovedrive e, continuando com essa matadora sequência de grandes músicas, a mais famosa banda alemã do mundo volta ao Animal Magnetism com a indispensável The Zoo.

Após este sensacional início, a confirmação de que a banda continua em uma forma invejável só ficava mais e mais clara. É impressionante ver como Klaus ainda canta – e canta com uma facilidade / qualidade de um adolescente no auge. O resto da linha de frente do grupo dispensa também qualquer comentário que não seja o óbvio – a excelência em cada instrumento – e o quinteto se fecha com o monstro, no melhor dos sentidos, Kottack. A sensação é de que era um “playback ao-vivo”, se me permitem assim descrever tamanha a perfeição e entrosamento de todos.

O show continua em altíssimo nível com o Lovedrive, mostrando como este disco funciona bem ao-vivo, trazendo desta vez Coast To Coast e mais um hit absoluto: Loving You Sunday Morning – e o Credicard Hall aproveita este momento para “esguelar” cada palavra, em total clima de alegria.

Rhythm Of Love, do Savage Amusement, veio na sequência e a performance da banda foi mais uma vez de se tirar todos os chapéus do mundo, e Klaus afirma que “o melhor ainda estava por vir“…

The Best Is Yet To Come!

The Best Is Yet To Come!

O Credicard Hall ficou lindo com os canhões de luzes coloridas nas paredes e na galera

O Credicard Hall ficou lindo com os canhões de luzes coloridas nas paredes e na galera

Ainda sobre a última música do último disco de estúdio da banda, foi realmente impressionante ver como ela realmente já virou um hit absoluto da banda e como ela encaixa no momento desta despedida da banda, chegando a emocionar quando se para por um momento e se analisa a importância e a trajetória desta banda para o mundo da música. E é igualmente impressionante notar como o público já a canta como se fosse um hit de 30 anos, principalmente com Klaus liderando com louvor o alto coro final da galera. Um grande momento, sem dúvidas.

E a emoção não teria intervalo, pois 2 das mais famosas baladas da banda (e não é qualquer exagero dizer da história do rock) viriam na sequência: a bela Send Me An Angel e a sequência novamente trazendo o Lovedrive, com Holiday. Desnecessário dizer como foi a recepção das músicas pelo público paulistano, que continuava tendo o privilégio de conferir um setlist matador.

Engraçado aqui como o som do teclado de Send Me An Angel veio, mas sem identificarmos a origem do som (hehehe). E, aqui, os guitarristas da banda tiram sarro trazendo lindos instrumentos ao palco, com violões Flying V (Schenker), referenciando as montadoras Mercedes-Benz e outro à Ferrari, além de um lindíssimo Gibson Explorer (Jabs).

Kottack volta ao palco elogiando nosso país e a cidade (“Brazil rocks, São Paulo rocks”) e Klaus pergunta se estamos “ready to rock” e afirma, para nosso delírio, que “I was raised on rock”. Com mais um ótimo vídeo acompanhando a banda nos telões, Raised On Rock, do Sting In The Tail, chega sem tirar o clima oitentista – inclusive com as guitarras – que já tomava conta do ambiente.

A banda traz novamente o Crazy World para mais 2 petardos dali, Tease Me Please Me e Hit Between The Eyes, antes do show particular de Kottack, o já famoso e esperado “Kottack Attack”, momento no qual, além do solo, pode-se curtir pequenos trechos de várias músicas espalhadas pela extensa discografia da banda, acompanhados pelo Kottack tocando tais trechos. Somam-se a isso as capas e animações relacionadas pelos telões. Uma grande e divertida sacada.

Rock & Roll Forever

Rock & Roll Forever

Hora de partimos para a faixa-título do álbum que completou 30 anos este ano: em Blackout, Rudolph resolve “entrar no espírito” da lendária capa:

Foto de um dos telões, que mostra um "certo" guitarrista caracterizado de "Blackout"...

Foto de um dos telões, que mostra um “certo” guitarrista caracterizado de “Blackout”…

Após a ótima Blackout, a banda traz Six String Sting, solo de Jabs, e o show aponta para um final que não deixa ninguém sem um sorriso de orelha a orelha…

Diferente do set de 2010, Big City Nights, outro hit absoluto da história da banda, é trazida para finalizar a primeira parte antes do aguardado encore. A energia desta música é algo que deve ser destacado sempre, pois faz qualquer um balançar e cantar o grudento refrão. Eu, particularmente, adoro a música e cantei a pleno pulmões. Há de se destacar a performance geral da banda neste momento, mais para o final do show, onde nota-se como realmente eles estão ainda em excelente forma mesmo – Klaus, por exemplo, está cantando demais mesmo depois deste tempo de show com música de dificuldade elevada de serem cantadas.

Big City... BIG CITY NIGHTS!!!

Big City… BIG CITY NIGHTS!!!

A banda homenageia São Paulo como a "Big City" desta mágica noite

A banda homenageia São Paulo como a “Big City” desta mágica noite

O Scorpions deixa rapidamente o palco ovacionado pelo público para ainda trazer mais 3 sucessos – acho que é seguro dizer que trata-se das 3 músicas mais conhecidas da banda.

A primeira delas é Still Loving You, música que o Minuto HM traz para você curtir no vídeo abaixo e que emocionou demais a galera, como não podia ser diferente:

Lágrimas que podem ter caído em Still Loving You continuariam a despencar naquela música que todos sabem assobiar, que toca em qualquer rádio (inclusive a do seu dentista, tenho certeza). Eu não terei a audácia de falar sobre Wind Of Change, tão bem explicada na nossa discografia aqui e aqui. Essa maravilha da música, a última balada da noite, preparava o terreno para a mais do que esperada…

… Rock You Like A Hurricane, claro. A derradeira música do Love At First Sting (e da noite) levantou o Credicard Hall e mais uma vez, confirmou de vez como Klaus está dando um banho em muitos vocalistas por aí, mesmo com a idade e com a cirurgia que se submeteu há algum tempo atrás (aliás, Klaus, dá uma ligadinha para o Paul Stanley, quem sabe?).

Em uma carreira de tantos anos para um show de cerca de 1h30, é CLARO que é impossível chegar a um setlist que seja indiscutível. Assim, sem delongas neste assunto, acho que a banda conseguiu um balanço excepcional em suas escolhas ao longo desta brilhante carreira. Mas, para também não deixar de pelo menos dar um “pitaquinho”, a lamentar, como fã da música, pela ausência de Bad Boys Running Wild, que figurou no set lá de 2010 desta mesma tour. Mas como eu disse: em uma banda com tantos e tantos “medalhões”, entende-se perfeitamente…

Scorpions Setlist Credicard Hall, São Paulo, Brazil 2012, Final Sting World Tour

E como disse na primeira parte desta cobertura: será que esta é mesmo a última passagem da banda? Cheguei a acreditar em 2010, mas não quero acreditar mais nisso. Não quero mesmo!

Long Live Scorpions e… até breve. Bom, esta é a nossa torcida! Mesmo!

Uma noite fantástica de celebração de grandes hinos do rock e destes senhores que merecem todos os tapetes vermelhos do mundo.

[ ] ‘ s,

Eduardo.



Categories: Cada show é um show..., Curiosidades, Instrumentos, Músicas, Scorpions, Setlists

10 replies

  1. Muito boa resenha, Eduardo. E ótima a sua sacada de linkar posts da discografia aqui por todo o texto. Excelente!

    Mais um grande show em que o Rio ficou de fora novamente. Duas noites em SP e nenhuma no RJ. Que felizardos são os paulistas! Cidade onde toda semana tem um show de uma banda incrível para se assistir hehehe
    E não um show qualquer. A banda parece estar em ótima forma com Klaus Meine ainda cantando muito, conforme o vídeo aí no post.

    Mais uma vez, parabéns que puderam prestigiar esta grande banda.

    Abraços,

    Su

    Like

    • Su, muito obrigado pelos elogios. E sim, tive esta ideia de colocar os links para os posts da discografia porque creio que é uma ótima hora para todos que nunca tiveram o privilégio de lerem os ótimos textos do Julio (e seus fiéis amigos que o ajudaram na discografia), possam curtir – e aos que já leram, possam relembrá-la.

      Uma grande pena ver o Rio de fora novamente. Sim, não dá para reclamar de São Paulo, a capital do rock e metal.

      Klaus está bem demais, cantando muito fácil e com uma qualidade formidável. Mas não só ele, toda a banda está ainda muito bem. Se eles realmente pararem, sairão totalmente “por cima”.

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  2. Eduardo, sua resenha está uma pintura, estava na grade e confirmo com todas as letras tudo que você relata e mais, Klaus, além de dá um banho cantando ainda brinca com os elementos do palco e com o público como se ainda estivesse em início de carreira.
    Simplismente ESPETACULAR!

    Like

    • Miriam, agradeço muito pelas palavras. A responsabilidade de “resenhar” sobre esta banda aqui é enorme, visto que há muita gente lendo que entende – e muito – da banda. E legal que você pode estar na grade curtindo o show, tenho certeza que se divertiu demais!

      Agora vamos torcer para não tenhamos tido a última passagem deles por aqui. Eu quero crer que não!

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  3. Excelente resenha , padrão que estamos acostumados a ver por aqui, não se esperava nada que não fosse dessa perfeição .Os links para a discografia são a cereja do bolo, muito bem sacado mesmo e super adequado para o fã do Scorpions que aparecer por aqui aproveitar e navegar na excelente discografia .
    As fotos estão ótimas, a cobertura com todos os detalhes para quem quiser entender como foi o show. Um destaque especial para a parte visual, num nível acima do que o Scorpions já costuma trazer .
    Em relação ao set list, só acho ruim esse lance das músicas do álbum anterior terem sido sumariamente dispensadas nesse novo list. Sabemos que a banda tem muitos clássicos e precisa tocar as músicas novas, mas pelo menos uma do excelente humanity hour 1 poderia rolar . É meu único senão …
    O vídeo de Still loving you é emocionante, me faz lembrar o Rock in Rio de 1985, inclusive pelos emblemáticos solos executados de maneira perfeita e o incrível vocal de Meine, que está uma maravilha.
    Parabéns pela cobertura !

    Alexandre

    Like

    • B-Side, muito obrigado pelos elogios. Eu que fiquei em uma situação MUITO complicada por aqui, com essa enorme responsabilidade em escrever algo sabendo que você, seu irmão, Rolf e principalmente o Julio acabariam lendo a resenha…

      Realmente o vídeo de Still Loving You ficou bem legal – aliás, é impressionante o que um celular pode fazer hoje em dia, não? Que legal que lhe trouxe a recordação do Rock in Rio 1 e é isso mesmo: é uma satisfação enorme ver estes gigantes da Alemanha ainda se apresentando com esta forma toda – um perfeccionismo que dá gosto de ser conferido.

      O Julio foi ao segundo show, no dia seguinte, e quem sabe ele não retorna para cá com uma triunfal resenha? 🙂

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  4. Putz, o som da casa estava tão bom assim no primeiro show? Caramba, por que será que no dia 21 estava tudo tão chiado? Deu pra ver na cara do Matthias Jabs que o som tava mesmo chiado e distorcido, como eu disse no outro post, principalmente no solo antes de Big City Nights. Bom, pelo menos estou feliz por todos terem gostado. No aguardo da resenha do segundo show (21/09). Abraço!

    Like

    • Rodrigo, sim, estava ótima no primeiro show e você, infelizmente, não é o primeiro que comenta dos problemas do segundo dia. Além de outros problemas, agora problema com som? Infelizmente São Paulo está carente de casas com um bom nível de serviço mesmo, ainda mais com tudo que pagamos…

      Uma pena mesmo – o Scorpions, por exemplo, é grande demais para casas como esta – chega a ser um desrespeito com os fãs e com a banda.

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

Trackbacks

  1. Discografia Scorpions – [CAPÍTULO 25] – Minuto HM

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: