Kiss discografia 8a parte – Álbum: Alive II

Galera,

Hoje o oitavo capítulo, sendo o segundo ao vivo desta discografia:

ÁLBUM: ALIVE II

A capa do vinil na edição brasileira.

A capa do vinil na edição brasileira.

Lançamento: 29/10/77

  • Produtores: KISS e Eddie Kramer
  • Primeiro Single: “Shout It Out Loud (live)” – em 10/77
  • Segundo Single: “Rocket Ride”- em 12/77
  • RIAA Gold Certification em 29/10/77
  • RIAA Platinum Certification em 29/10/77
  • O Álbum atingiu #7 nas paradas
A Capa e o Cd na edição Remaster

A Capa e o Cd na edição Remaster

Faixas:

Disco 1

1- Detroit Rock City – 3:58 6- Calling Dr. Love – 3:32
2- King Of The Night Time World – 3:06 7- Christine Sixteen – 2:45
3- Ladies Room – 3:15 8- Shock Me – 5:51
4- Makin’ Love – 3:13 9- Hard Luck Woman– 3:06
5- Love Gun – 3:40 10-Tomorrow and Tonight –  3:20

Disco 2

1- I Stole Your Love – 3:36 6-All American Man – 3:13
2- Beth – 2:24 7- Rockin’ In The USA – 2:36
3- God Of Thunder -5:16 8- Larger Than Life – 3:59
4- I Want You – 4:14 9- Rocket Ride – 4:07
5-Shout It Out Loud –  3:37 10 – Anyway You Want It -2:33
A contracapa do vinil brasileiro

A contracapa do vinil brasileiro

Em meados de 1977, depois da estrondosa repercussão de LOVE GUN, qualquer coisa que o KISS lançasse provavelmente seria um grande sucesso. Nada mais óbvio do que não mexer em time que está ganhando e lançar um novo álbum ao vivo, e melhor ainda, outro duplo. Havia, porém, um problema: a banda não possuía material ao vivo suficiente de canções dos últimos três trabalhos que pudesse completar o tal duplo. Para resolver o problema, uma vez que havia doze músicas disponíveis, foram trazidas duas soluções: gravar um lado de músicas inéditas, e completar os lados ao vivo utilizando-se gravações efetuadas em passagens de som e adicionando som de platéia. Novamente Eddie Kramer é chamado para a co-produção e utilliza-se basicamente de shows efetuados entre 25 e 28 de agosto de 1977, no The Fórum, em Los Angeles. Segundo o produtor, desta vez muito menos overdubs foram feitos do que no KISS ALIVE! Algumas músicas foram trazidas de shows no Japão no começo de abril, são elas Beth, I Want You, God Of Thunder e King Of The Night Time World. Completando os três lados ao vivo, I Stole Your Love, Hard Luck Woman e Tomorow And Tonight que foram gravadas nas passagens de som dos shows em Los Angeles.

A edição do vinil brasileiro não tem encarte, mas é dupla.

A edição do vinil brasileiro não tem encarte, mas é dupla.

O lado de inéditas certamente merece um capítulo à parte: com um cronograma muito apertado, o grupo entra sob pressão no início de setembro, em New Jersey, no Capital Theater, para finalizar o álbum, porém Ace Frehley, devido ao abuso de álcool e sabe-se lá mais o quê, não apresenta condições para gravação, contribuindo apenas em sua faixa de autoria, Rocket Ride, onde além de vocais e guitarra solo, também toca baixo. O jeito é chamar Bob Kulick, guitarrista que havia participado das audições para a vaga de Ace Frehley, cinco anos antes. Bob grava os solos de Rockin’ In The USA, All American Man e Larger Than Life (há, porém, informações de que nesta faixa o guitarrista utilizado é Rick Derringer e não Kulick, algo categoricamente desmentido pelo próprio Bob). Ainda em Larger Than Life, Gene, além dos vocais e baixo, também toca violão elétrico. Abaixo ouvimos uma versão demo, com solos alternativos da canção.

Para fechar o álbum, Paul, Peter e Gene gravam como trio uma cover do Dave Clark Five, Anyway You Want it. A idéia inicial era gravar uma cover de Elvis Presley, Jailhouse Rock, mas aparentemente Gene Simmons, ele mesmo (?!?!?),  foi contrário, por considerar a ideia exageradamente comercial, ainda mais considerando que Elvis havia morrido poucos dias antes.

A edição remaster traz o encarte completo da edição original

A edição remaster traz o encarte completo da edição original

A evolução do Kiss na edição Cd Remaster

A evolução do Kiss na edição Cd Remaster

O álbum já sai com certificado de platina, e traz no seu interior um livreto intitulado “The Evolution Of Kiss”, além de uma cartela com tatuagens descartáveis. 

Os singles Shout It Out Loud (live) e Rocket Ride atingem, respectivamente, o 54º e 39º lugar nas paradas, sendo esta última o primeiro single lançado com os vocais de Ace Frehley, e que acabou obtendo melhor repercussão do que a então conhecida Shout It Out Loud. O álbum vai muito mais além, chegando ao sétimo lugar nas paradas. Peter Criss gosta muito do resultado, dando 5/5 para o álbum, Paul Stanley considera-o um pouco inferior ao KISS ALIVE! dando 4,5/5,  Ace avalia com 4/5 e Gene é mais crítico, cotando com 3/5.  Até hoje, ALIVE II é um dos mais vendidos álbuns do conjunto, conseguindo o status de platina quádrupla em 1996. Aparentemente as primeiras versões em vinil traziam informações indevidas que incluíam Do You Love Me?, Take Me e Hooligan na contracapa, e invertendo várias das músicas de suas ordens atuais, porém estas versões não contem as três músicas mencionadas.

No encarte - fotos dos membros ao passar dos anos (Gene e Paul)

No encarte - fotos dos membros ao passar dos anos (Gene e Paul)

No encarte - fotos dos membros ao passar dos anos (Ace e Peter)

No encarte - fotos dos membros ao passar dos anos (Ace e Peter)

No encarte - fotos do grupo ao passar dos anos

No encarte - fotos do grupo ao passar dos anos

O conjunto sai novamente em turnê em 11 de novembro de 1977, em Oklahoma City. Eles tocam no fim de dezembro em Largo (show disponível no Kissology Vol 1, em um dos bônus disc) e repetem a dose aparecendo no American Music Award via satélite, no início de 1978.

Está disponível no Kissology Vol 2 Disc 1 um documentário desta fase, chamado Land of Hype and Glory. A turnê americana termina em fevereiro e no início de março a banda embarca para o Japão, fazendo cinco shows sold-out no Budokan e quebrando o recorde anterior, que era dos Beatles (quatro shows sold-out). A banda não mais vai excursionar durante o ano de 1978, pois veremos no próximo capítulo um lançamento de uma coletânea e planos que envolveriam um filme e álbuns solos.

As "tattos" no cd remaster - vinham na edição original do vinil em 1977.

As "tattos" no cd remaster - vinham na edição original do vinil em 1977.

No cd remaster - a forma de utilizar as "tatuagens".

No cd remaster - a forma de utilizar as "tatuagens".

N.R: Comparando ao KISS ALIVE!, ALIVE II fez tanto ou mais sucesso, porém não repetiu a credibilidade que o primeiro possui, principalmente por não se tratar de um show gravado ao vivo, nem na sequência das músicas, e sim de uma coletânea ao vivo de canções dos últimos três álbuns. Embora não tenham havidos tantos overdubs como no primeiro, a impressão de ter se ido ao um show do Kiss não é tão bem sentida no ALIVE II e não há versões consagradas neste álbum, tais como Rock And Roll All Nite de KISS ALIVE!. Como coletânea da Fase 2 do Kiss, é um bom álbum, e para muitos fãs justifica a sua aquisição. Porém, algumas músicas, como Do You Love Me? ficaram de fora em detrimento a outras de menor qualidade, como Tomorow and Tonight.  Seria possível fazer um álbum totalmente ao vivo, juntando Hooligan, Take Me, Flaming Youth (tocada na turnê do Destroyer) e a já citada Do You Love Me?, e aí talvez ficasse um álbum mais representativo.  O lado de inéditas, porém, apesar da notória separação dos integrantes, também tem ótimos momentos: Rocket Ride, All American Man e principalmente Larger Than Life valem a empreitada, mostrando que apesar do colapso que sucesso trazia à unidade do grupo, as composições ainda mantinham a qualidade.  Na sequência, teremos um lançamento de uma coletânea das duas primeiras fases e uma empreitada que praticamente destruiu a primeira formação da banda, mas isso fica para o próximo post.

Um dos vinis na edição brasileira.

Um dos vinis na edição brasileira.

Até a próxima semana,

Alexandre B-side e Flávio Remote



Categories: Curiosidades, Discografias, Kiss, Resenhas

16 replies

  1. Excelente…

    Agora sobre “A idéia inicial era gravar uma cover de Elvis Presley, Jailhouse Rock, mas aparentemente Gene Simmons, ele mesmo (?!?!?), foi contrário, por considerar a ideia exageradamente comercial, ainda mais considerando que Elvis havia morrido poucos dias antes.”, acredito que tenha sido mais pelo momento (morte do Rei).

    Como será que a banda faria hoje?

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

  2. Acho que em breve teremos uma Billy Jean no novo album do Kiss…..

    Like

  3. Tem um box set do KISS que menciona que Rick Derringer tocou alguns solos na música “Larger Than Life” junto com Bob Kulick!!!

    Não conhecia o encarte completo do KISS Alive 2, já que tenho a versão do vinil antigo nacional, só com a foto da explosão!!!! Fantástico!!!

    Like

  4. Hellraiser:
    Antes de tudo obrigado pelos comentários,muito pertinentes e que agregam ao texto original.A respeito da participação de Rick Derringer em Larger than life ( um ponto alto no lado de inéditas,diga-se de passagem),no livro-biografia autorizada KISS behind the make up, de David Leaf e Ken Sharp, há uma entrevista com Bob Kulick afirmando categoricamente que foi ele quem tocou os excelentes solos na música.É complicado saber em que fonte acreditar,o que posso atestar é que os solos parecem ter o estilo de Kulick ,comparando com as demais participações do músico em diversos momentos no KISS,e o box set tem informações meio duvidosas , por exemplo,credita a Peter Criss a bateria de Within(versão studio)…Eu particularmente duvido que Criss tenha tocado nesta versão….Ou seja,se for pra escolher ,apostaria minhas fichas em Bob Kulick nos créditos de Larger than Life.
    Continue contribuindo,seus comentários são muito bem vindos

    Alexandre Bside

    Like

  5. adoro este a live 2 ,sei q o a live 1 é melhor, mas adoro este muito bom

    Like

  6. outro gde post..

    gostei bastante tb, mas este tem um pouco menos informação e mais imagens..

    otimo de qq jeito..

    obrigado por continuar com estas materias q foi como eu conheci o Min HM…

    Like

  7. A edição remaster do Alive II é bem caprichada, e assim quisemos trazer o que se encontra em seu conteúdo e dividir com todos aqui do Minuto HM.
    Mais uma vez, obrigado pelo feedback!

    Alexandre Bside

    Like

  8. Nota triste: Eddie Balandas, conhecido como “a voz do Kiss” com a tão tradicional “you wanted the best, you got the best… the hottest band in the world, Kiss”, faleceu neste último final de semana, em Chicago.

    Ele chegou a participar da Kiss Expo ainda este ano e faleceu pouco tempo depois…

    Fonte:

    Uma pena. R.i.P., Eddie.

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

  9. Pois é, cavalheiros, um Alive que não é totalmente live por trazer músicas de estúdio, e não por questão das vergonhosas overdubs.
    Estranho, mas…nunca fiz segredo de não pertencer ao tipo “tranquilamente preferir versões ao vivo à de estúdio”.
    Admiro mais o Ace, mas prefiro “Rocket Ride” à “Shock Me”, incluindo neste disco em especial.
    A questão é: se não teria sido melhor colocar “Rocket Ride” no lugar de “Shock Me” no ‘Love Gun’ e, consequentemente, ao vivo no ‘Alive II’

    Um abraço e Rock n’ Roll para todos!

    Like

  10. Rafael, também considero a Rocket Ride uma música que passou injustamente meio em branco na carreira da banda . Acho que a comparação com Shock me é válida, gosto das duas canções, não sei bem dizer qual acho melhor, o certo é que Shock me ficou conhecida como a marca registrada do Space Ace na banda .
    Em relação às preferências de músicas em estúdio ao invés das versões live, acredito que isso seja algo mais comum.
    Eu não tenho uma preferência específica sobre isso, considero algumas versões ao vivo superiores às originais de estúdio, outras não.
    Um exemplo claro de uma preferência “live” é Let me go, Rock’n’Roll, que no meu entender é imbatível na versão do histórico Alive!
    Mais uma vez obrigado por participar por aqui !

    Alexandre Bside

    Like

  11. Um excelente post Flavio, de um álbum marcante para mim apensar do estranhamento inicial das musicas de estúdio. Confesso que levou um bom tempo para ouvi-las com naturalidade. Normalmente ouvia apenas as musicas “ao vivo”. Desconhecia os detalhes da gravação e acredito que seria um álbum mais interessante se fossem apenas de musicas ao vivo ja tocadas ou das que deveriam ter sido tocadas.
    Quando comprei esse disco a intenção inicial era adquirir o Rock and Roll Over. Porém, a doação financeira dava para comprar 2 e optei pelo AliveII. Acredito que devo ter adquirido em 83 ou 84.
    Eh sempre bom relembrar os álbuns do Kiss e ficar sabendo desses detalhes que vocês tão pacientemente compilaram. Isso merecia uma edição em livro. A historia do Kiss!!!
    Valeu!

    Like

    • Mais uma história bem legal, e a mesada foi bem frutífera. Se bem, que entre o Alive II e Rock n Roll Over não há erro mesmo.
      E o livro… vocês vão montando aqui com os ótimos comentários.
      Abraços
      Flavio

      Like

  12. Em meados na década de 80, o Alive II já estava fora de catálogo e ia em tudo quanto é saber para encontrá-lo sem sucesso. Um pouco tempo depois ele ressurgiu e o adquiri com tremenda paixão. Eu sempre curti mais o Alive II que o próprio Alive I, pois não gosto tanto da fase inicial do Kiss (3 primeiros álbuns). Para os Kissmaníacos, as reedições em vinil de 2014 trouxeram de volta o Encarte The Evolution of Kiss e as capas internas para guardar os discos.

    Like

Trackbacks

  1. Minuto HM em NY / NJ / DC – o lendário Electric Lady Studios « Minuto HM
  2. O famigerado post dos vinis « Minuto HM

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: