Cobertura Minuto HM – Rolling Stones em SP (show 2) – parte 3: resenha

Antes de mais nada, uma reverência: vou falar dos Rolling Stones. E passando novamente pelo nosso país. A honra é enorme. Vamos blindar os clássicos!

Já tivemos duas partes pré-show por aqui (primeira e segunda), assim que a ideia por aqui é ir diretamente ao que interessa! Tour Book comprado (por caros R$ 50,00), estava tudo pronto.

————————————————

Titãs

Quem me conhece um pouco sabe que normalmente bandas nacionais não são meu negócio. Apoiar é uma coisa, gostar é outra. Há uma exceção aqui e ali, e os Titãs são justamente parte desta minha limitada abertura.

Trazendo um set verdadeiramente matador em termos de clássicos, com 5 faixas do Cabeça Dinossauro e 4 do Jesus não Tem Dentes no País dos Banguelas, os Titãs não tocaram, eles DESFILARAM para um público que os reverenciou por todo o tempo, acompanhados de um som perfeitamente ajustado e, como se deve ser sempre, ALTO.

A banda mostrou estar em dia em todos os aspectos, inclusive com suas ferrenhas – e inteligentes – críticas políticas. Acho que nem eles imaginavam o que estouraria poucos dias depois, coisa que estamos passando agora, menos de 1 mês depois do show. Mas musicalmente falando, estão todos muito bem após os longos e bastante representativos anos de estrada e de excelente representação no cenário nacional.

Destaques? Difícil, tudo foi legal. Posso dizer em um aspecto mais pessoal que Flores e Polícia, minhas prediletas, foram grandes momentos. Mas Sonífera Olha, Comida, Cabeça Dinossauro, Homem Primata (ahhh, o capitalismo selvagem…) e Bichos Escrotos foram mais que cantados por um Morumbi já praticamente lotado durante este show de abertura.

Para terminar, uma saudação e reverência dos Titãs a Raul Seixas com Aluga-se, outro momento mais que bem aceito pelo público. Olhando as bandas de abertura que Rio (Ultraje a Rigor) e Porto Alegre (Cachorro Grande e Doctor Pheabes) tiveram, creio que os paulistas foram os que se deram melhor – nada contra as outras bandas, mas creio que muitos concordarão.

Ótimo show.

————————————————

Rolling Stones

Os Stones atrasaram cerca de 10 minutos para subir ao palco. Como em todas as aberturas de shows hoje em dia, um verdadeiro mar de celulares e até mesmo tablets tomaram conta do “espaço aéreo” de nossas cabeças para registrar a banda. Até aí, nada de novidade. Mas é necessário registrar que o público de shows de porte não é normalmente o público acostumado com shows no, digamos, “dia-a-dia”. Foram 68.000 pessoas presentes em um praticamente lotado estádio (show ficou sold out rapidamente), ainda que a VIP não estivesse totalmente cheia – ou será que finalmente pensaram em área de circulação?

Soma-se a isso o fato de todos quererem “aparecer” de qualquer maneira com as tais fotos autorretrato (eu sei como é o nome criado em inglês, mas não o uso, obrigado). Isso irrita profundamente pois a pessoa perde a oportunidade de ver um dos melhores momentos, que é aquele “apagar das luzes” e o primeiro contato com os artistas. Veja bem, de maneira alguma sou contra ter registros do show, até porque mais abaixo teremos tais registros… mas o excesso é que incomoda, e isso se deu neste show. E além do normal, Luciana Gimenez cansou de passar na área VIP (que fica entre a pista VIP e a pista “normal”), o que gerou muita curiosidade especialmente dos menos acostumados com shows, inclusive para as tais fotos. Antes do show, não vejo problema, mas ela passando par lá e para cá durante o show (as vezes gritando para ser ouvida pela produção e staff) chegava a fazer pessoas “disputar” a atenção com o show, o que é, para dizer o mínimo, lamentável. Fotos dela e uma rápida aparição no final do vúdeo vídeo do Honky Tonk Women poderão ser vistos mais abaixo.

“Desabafo” feito, não há como não abrir um sorriso de orelha a orelha com a abertura de Jumpin’ Jack Flash (após um vídeo bem introdutório bem legal), talvez minha favorita dos Stones. Sonzeira, rock and roll purinho, maduro, colhido no pé. E aqui uma constatação imediata, já esperada, mas que deve ser registrada. São 2 shows: um do Mick Jagger. Outro dos outros e de todo o “resto”, inclusive de Keith Richards e dos outros membros da banda. Para mim, por mais piegas que soe, efetivamente fez uma “simpatia com/para o diabo”, porque não é possível… o cara continua a mil por hora, uma simpatia, e mais que isso, com uma voz em excelente estado. Não querendo comparar quem é melhor ou não, ou a dificuldade de se cantar entre cada música ou estilo, Mick é daqueles que entra no seleto ranking dos caras que souberam envelhecer e cantar bem ainda, como Glenn Hughes, Steven Tyler, Bruce Dickinson, Macca, apenas para citar alguns, mas não foge também muito disso. E como frontman, é daqueles que não possui substituto.

O palco, que faz parte de um item importante dentro do “outro show”, é radicalmente mais simples do que o Brasil já recebeu, especialmente o de 1995. O palco traz telões laterais e o central com altíssima resolução, creio que algo perto de 4K, se não for mesmo 4K, pois o nível de detalhes é impressionante. Aliás, toda a logística da banda, obviamente, é de um profissionalismo que justifica o tamanho dos Stones, pois estava tudo certo: som, luzes, imagens, tudo perfeitamente sincronizado e nada que pelo menos eu tenha notado de falha ou erro durante todo o show. As iluminação é impressionante, pois gera painéis e uma espécie de “moldura” pelo palco e passarelas laterais usadas por Jagger, transformando o palco em uma verdadeira “pintura”. O legal é ver ainda o palco ficando preto para Paint It Black e vermelho para Sympathy For The Devil, apenas para citar dois exemplos – ambos poderão ser conferidos em vídeos mais abaixo também.

E o tempo? Estava chovendo muitos nos dias que antecederam o show. Havia dúvidas sobre o tempo na noite do sábado. Antes do show, olhei para o céu e não havia como chover. Mas a cidade é São Paulo, é show de rock e dos Rolling Stones. Conclusão: São Pedro deu seu jeito de mandar uma água, ainda que rapidamente. Foi em torno da Honky Tonk Women também, um pouco antes, um pouco depois. Chegou a chover por uns 2 minutos até para muitos colocarem capa, mas logo a chuva virou garoa, que ficou mais alguns poucos minutos. Enfim, mais um registro.

Voltando ao show, a banda mais uma vez apostou em um set consagrado, recheado de clássicos. Não posso deixar de lamentar as ausências de 3 músicas que tenho muita predileção: Angie, Let’s Spend The Night Together e Ruby Tuesday. No caso das duas últimas, o pessoal que viu o show em Porto Alegre em 02/mar/2016 teve mais sorte. Entretanto, fica difícil reclamar do repertório, com 3 faixas do Let It Bleed, duas do Exile On Main St. e depois uma verdadeira coletânea de outras duas ou apenas uma música “medalhão” de cada álbum. O início do show é matador, com a sequência com It’s Only Rock ‘n’ Roll (But It Like It), Tumbling Dice, Out Of Control e All Down The Line…

Notei que a velocidade das músicas, entretanto, deu uma boa baixada em comparações com suas versões em estúdio ou ao vivo de anos atrás. Creio que é natural. Charlie Watts, quando veio à frente mais ao final do show, é daqueles que eu sonharia que fosse meu avô. Seria um orgulho danado, como sempre digo quando penso nele. Mas realmente a coisa está em um nível limite, não há como negar, ainda que ele conseguiu manter seu tradicional estilo por todo o show, mesmo com as músicas ganhando versões mais longas, o que acaba exigindo bastante do baterista – claro, não é nada robusto, técnico, mas a precisão é necessária e isso tem. E como é legal ver o estilo dele em tocar: ao tocar o famoso “Pop Rock”, Watts sempre levanta o braço direito sem tocar uma parte no contra-tempo, enquanto a baqueta esquerda vai para a caixa. É um estilo singular, uma marca registrada.

She’s A Rainbow venceu a votação da noite e foi bem legal. A sequência do show trouxe a clássica e mais que bem-vinda Wild Horses, depois Paint It Black, outra favorita minha (que cansei de tanto ouvir em um CD importado do Japão adquirido pelo meu pai, e que ainda o tenho e guardo com carinho) e Honky Tonky Women, que contou com as apresentações dos membros da banda (e haja gente – pleonasmo dizerem que todos de altíssimo nível). Alguns destes momentos, como comentei acima, ficam registrados nos vídeos abaixo, com direito a chuva e Mick Jagger a pouquíssimos metros, no mini-palco no meio da pista VIP:

As duas próximas – Slipping Away e Before They Make Me Run – são boas músicas, mas que me desculpem aqui os fãs mais fervorosos: eu gosto de Keith Richards – se ele não é a “alma” dos Stones, é o “corpo”, sei lá… é fundamental… é um ser híbrido uma figura marcante, uma lenda, extremamente carismático, simpático, icônico… mas até aí, nada disso o qualifica para cantar. Eu entendo o descanso merecido de Mick, mas é osso duro ouvir Keith cantando. Novamente, peço desculpas pela opinião mais direta e forte, que entendo ser bastante controversa entre os fãs. Aproveitando, vamos falar de Ron Wood, o “caçula” com 68 anos: Ron será papai (!) de gêmeos (!!) e está em ótima forma tanto física quanto musical. E um detalhe: usando um Apple Watch. Ou seja, um cara up-to-date :-).

Midnight Rambler e Miss You são boas “surpresas”, especialmente a primeira. E a partir delas, os Stones fazem um verdadeiro desfile de hits absolutos da banda e do rock, com Gimme Shelter, Start Me Up (outra favorita) e a emblemática Sympathy For The Devil em versão esticada, trazendo talvez o auge do show, com toda a performance teatral de Mick Jagger:

A divertida e cantante Brown Sugar fecha o show para dar a deixa para um retorno rápido para um BIS espetacular, com You Can’t Always Get What You Want (mais uma favorita), contando com um coral lindo de jovens da USP. Aqui a banda praticamente inteira é colocada à prova. Outro grande momento.

O fim é talvez o mais óbvio que se pode ter na história da música, com (I Can’t Get No) Satisfaction, em outra versão estendida. Uma rápida amizade com um “camarada” que havia bebido todas e que segurava os copos comemorativos do show. Ao final, peço um copo e gentilmente o recebo, hehehe.

A banda se despede do público em um show marcante, e que talvez marque o último da história da banda na cidade. É torcer que não!

Long Live aos Stones!

Galeria de Fotos com show, Luciana Gimenez, Tour Book e o copo da noite:

The Rolling Stones Setlist Estádio do Morumbi, São Paulo, Brazil 2016, América Latina Olé

Infelizmente, mais um registro deve ser feito por aqui: a saída do show. Talvez uma das piores que eu já tenha passado na vida. O Morumbi é um estádio totalmente obsoleto em todos os sentidos, especialmente acessos. A saída, mesmo após certa espera, foi vergonhosa. Não havia qualquer circulação. Estavam todos sufocados.

Muitos furtos aconteceram (carteiras e celulares, especialmente). Ninguém andava para qualquer lugar. Foi uma vergonha sem tamanho, algo revoltante, totalmente inaceitável. Shows no Morumbi são, hoje em dia, um verdadeiro sacrifício e estas saídas acabam estragando um pouco os momentos de felicidade que acontecem do lado de dentro. Isso sem contar a dificuldade e a roubalheira de taxistas e transportes clandestinos que são para lá de conhecidos por todos, mas a polícia, claro, nada faz. Um lixo que só se vê neste país, diga-se de passagem. Não é um luxo apenas de São Paulo – são raros os lugares onde minimamente um serviço aceitável seja conferido. E as empresas continuam reinando livres e soltas. É uma pena.

[ ] ‘ s,

Eduardo.



Categories: Artistas, Cada show é um show..., Covers / Tributos, Curiosidades, Músicas, Resenhas, Rolling Stones, Setlists

7 replies

  1. Grande review do show, presidente. Bastante completo e fica difícil, pra mim, acrescentar alguma coisa.
    Posso destacar que no show em Porto Alegre a música escolhida pelo público foi “Let’s Spend The Night Together” que mostra uma escolha bem mias “medalhão” que She’s a Rainbow. Ruby Tuesday no lugar de All Down The Line, considero ser um ganho apesar de que a música tocada em SP ser bem interessante também.
    Concordo com tua observação quanto a divisão Mick Jagger x Todos os outros. A energia do Jagger é impressionante. Em Porto Alegre a chuva foi de volume variável, porém incessante e Mick Jagger deve ter passado mais de 80% do show debaixo de chuva. Já os outros (especialmente os “móveis” Ron Wood e Keith Richards, primordialmente, preferiram o conforto da cobertura do palco.
    Foi curioso ver a equipe da banda tentando secar o quilométrico palco exposto as intempéries a cada “estiada” da chuva, com rodos, para, 5 minutos depois recomeçar a chuva, implacável. Mick Jaggfer, como já disse, não deixou de percorrer, pra lá e pra cá, todo palco, mas senti que ele correu menos, ficava mais caminhando. Talvez com receio de algum tombo.
    Um grande show. Histórico pra Porto Alegre.

    Like

    • Xará, aqui também só me resta agradecer pelas palavras. E legal ver você, fã declarado da banda, também concordar sobre o lance dos 2 shows – Jagger e o “resto”. Obrigado também pelos comentários da passagem da banda pelo sul do país – e quem diria, com mais chuva do que em SP, “a terra da garoa”.

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

  2. [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: