Cobertura Minuto HM – Iron Maidens em SP (credenciamento imprensa) – parte 2 (resenha)

Fala, galera,

após nossa chegada, logo tivemos a a abertura da noite, com a competente banda Metal Attack, composta por músicos já conhecidos na noite paulistana e que focam, basicamente, nos (excelentes) anos 80. Os ajustes do som para eles não estavam os ideais mas, mesmo assim, tudo rolou muito bem. Eles brincaram que só tocariam “músicas de defuntos”, hehehe.

Defuntos ou não, o  ótimo e divertido setlist tocado por eles foi:

  • You’ve Got Another Thing Comin’ – Judas Priest
  • Balls To The Wall – Accept
  • Bang  Your Head (Metal Health) – Quiot Riot
  • Highway To Hell – AC/DC
  • Stand Up And Shout – Ronnie James Dio
  • You Can’t Stop Rock And Roll – Twisted Sister
  • Lick It Up – Kiss
  • I Wanna Be Somebody – W.A.S.P.
  • Long Live Rock And Roll – Ronnie James Dio
Metal Attack

Metal Attack

A casa ainda estava vazia com eles tocando, o que foi uma pena para os que não estavam presentes. Entretanto, muitos foram entrando no decorrer da abertura e puderam presenciar a apresentação da banda – esse “muitos” eu chuto que tivemos cerca de 300 pessoas presentes na casa ontem para ver as Donzelas de Ferro (literalmente).

A expectativa ao final da primeira banda era, para mim, ver um pouco da Children Of The Beast, que estava prevista como segunda apresentação da noite  – para mim, a melhor banda cover de Iron Maiden que já vi em termos de fidelidade ao original – estou falando em termos musicais mesmo. Entretanto, não tivemos a Children, não sei o motivo.

Mas é hora de falarmos das meninas. Relatarei também alguns detalhes mais técnicos também, nem sempre favoráreis a elas, mas que devem ser falados.

Com a tradicional abertura que o Maiden vem usando, com Doctor Doctor, do UFO na Public Address (ou PA, hehehe), as meninas foram ganhando o palco para delírio, principalmente, dos marmanjos presentes. Digo isso pois realmente não há como não dizer o quanto elas são fisicamente atraentes, principalmente a “Adriana Smith” – aka Cortney Cox (não confundir com a outra linda do seriado Friends, a Monica). A guitarrista que faz o Adrian realmente se destaca pelo seu “figurino”, com um decote que faz todos presentes irem ao delírio, além do legging preto da Reebok.

Quando a imagem vale mais que as palavras...

Quando a imagem vale mais que as palavras...

Aí vem a primeira coisa que estranhei: olhando o palco de frente, fiquei a direita no início do show, local onde o lineup clássico do Iron Maiden anos 80 tinha o Sr. Adrian Smith, hoje mais perto do Murray depois do seu triunfal retorno com Bruce à banda em 1999. Enfim, o que quero dizer é que as The Iron Maidens tocam com o “Smith” do lado do Murray e vice-versa, algo que questionei depois para a “Murray” delas, como vocês verão lá para o final do review.

Ao fim de Doctor Doctor, rolou um playback da abertura da banda na época da trinca 666-Piece-Powerslave, o que foi muito legal, antes da emenda com o tradicional Churchill’s Speech para finalmente elas entrarem tocando, desde o início, Aces High. Confesso que estranhei também, musicalmente falando, o riff inicial da música, mas depois a coisa se acertou e elas foram muito bem na execução da música. Com um verdadeiro arsenal de luzes e gelo seco, ficava até difícil vê-las no palco em algumas situações, mas mostrou a preocupação delas em entregar um show com o máximo de recursos disponíveis.

Hora de 23:58 PM, ou 2 Minutes To Midnight. Aqui a banda já se mostrou mais a vontade em todos os sentidos, continuando a clássica emenda do disco de 1984. Um ótimo trabalho de guitarras e da bateria nesta música, além do vocal da “Chickinson” ter dado seus primeiros sinais da potência que a vocalista entregaria por todo o show.

“Obrigada”, diz “Chickinson” em nossa língua, emendando um “vamos lá, galera”. Courtney e seus volumosos “Iron Maidens”, se é que vocês me entendem, iniciam o maravilhoso riff de Wasted Years. A música vai bem e, para surpresa de muitos, já temos um Eddie no palco, hehehe. Aliás, muito legal isso delas: não economizaram nesta questão, foram vários Eddies passeando pelo palco…

Elogiando o público brasileiro – “Brasil legal – BRASIL… I gotta say this right – BRASIL” e dizendo que aqui temos os verdadeiros “heavy metal fans”, Chickinson grita “IF YOU’RE GONNA DIE… IF YOU’RE GONNA DIE…” – era a deixa para o público responder “DIE WITH YOUR BOOTS ON”, música do fantástico Piece of Mind e que, convenhamos, bem que o original poderia achar um espacinho e voltar a executá-la. Chickinson manda muito bem no vocal desta música, cantando muito próxima da versão que temos no duplo do Live After Death. Ótimo trabalho da “Harris” também.

O riff de The Wicker Man, música de abertura do álbum de 2000 da Donzela, já com Bruce e Adrian de volta ao lugar que devem sempre estar, dá suas caras para mais uma divertida música da noite, com a galera pulando bastante com as meninas que também pulavam no palco durante o grudento refrão.

Hora de voltarmos para os anos 80 e novamente para o Piece of Mind com outra que poderia facilmente voltar a figurar em um set do original: Flight Of Icarus faz a galera ficar muito feliz e cantar alto com Chickinson e CIA. Um segundo Eddie invade o palco e brinca com as garotas para completar a festa.

Hora de voltarmos lá na era Paul Di’Anno para uma das melhores músicas executadas por elas em termos de fidelidade: Killers, do segundo álbum homônimo, dá suas caras e a performance geral da banda aqui é realmente excepcional. Grande momento das meninas entregando tudo de maneira perfeita.

A dupla de guitarristas (Cortney com uma blusa jeans como a do Adrian na tour do Brave New World e a mais recente chegada no grupo, a talentosa japonesa que faz o Murray, com seu cinto de fivela “IRON” – inclusive, ela toca como o Murray, muito fiel ao original, diferente de Cortney, que não se prende tanto ao original Adrian, como no próprio Iron Maiden) se olham e se preparam para mandarem a linda música de abertura do Somewhere In Time, uma das inúmeras obras-prima de Steve Harris: Caught Somewhere In Time é muito bem executada por elas. Aliás, aqui vale um comentário do som da casa: de repente, a coisa aumentou de uma forma espetacular… o som desta música em diante ficou MUITO ALTO, e deu para notar que as próprias garotas curtiram! Ficou tão alto que as vezes ouvia-se pequenas distorções e até mesmos ruídos.

Voltamos novamente à era Paul Di’Anno com outro ótimo trabalho da banda em Wrathchild, e logo após Chickinson emenda: “number 22… NUMBER 22…” para a galera responder com Acacia Avenue! Muito engraçado uma música dessas executadas por garotas, hehehe. Cortney não perdeu a oportunidade para abusar do seu talento musical e físico para ir dar uma “esfregadinha” de costas em Chickinson, na parte do “it’s warm inside”, levando os marmanjos a delirarem em todos os sentidos.

As luzes rapidamente se apagam e Chickinson volta com uma grande bandeira do Brasil e vestida com o figurino que Bruce está usando nas últimos tours para um dos maiores clássicos da banda e do heavy metal: The Trooper é executada com louvor pela banda, com ótimo trabalho de todas.

Chickinson aproveita para introduzir a banda enquanto a baterista toma um vinho atrás. Rapidamente um novo apagar de luzes e alguns “foguinhos” lateriais para a clássica 666 e mais um Eddie no palco. Muita luz e gelo seco acompanham a execução de Number, em mais um ponto alto do show.

A banda faz uma rápida pausa para mandarem a difícil Phantom Of The Opera, do primeirão Iron Maiden. O som neste momento estava tão alto que chegou a dar uns estouros quando o primeiro solo começou. Detalhe também para quando a baixista ajeitou seu instrumento no corpo para fazer a parte do baixo no meio da música, como que se preparando para a intrigante parte que lhe cabia naquele momento.

As meninas agradecem a casa e as pessoas que ajudaram-as com todo o show e é um momento que a “Adriana Smith” toma a atenção do público subindo no retorno e mandando o riff de Metal Militia, do MetallicA. Depois, vendo a tatoo da barriga dela de perto, meio que eu entendi que ela também deve ser uma apaixonada pelo MetallicA. Muito bom ouvir isso em um show do Iron Maiden, ainda que cover – acho uma baboseira pessoas que ficam comparando estas duas grandes bandas de heavy metal, que não devem competir, e sim se complementar para nossa predileção. Ela aproveita para dizer “oi” ao público e emenda mais um solo.

Aí veio talvez a pior parte do show em termos musicais: em uma tentativa de se reproduzir Moonchild, elas foram realmente muito infelizes. Me lembro de um cara do público olhando para mim com uma cara de “o que é isso que elas estão fazendo?”, e eu devolvendo o olhar assustado e desconfiado. Realmente ficou péssimo, inclusive a parte de Adriana Smith. A coisa só melhorou na parte que Chickinson entrou cantando em “I am he the bornless one, the fallen angel watching you…” (elas não fizeram a intro lenta da música). Depois dessa infeliz intro, elas se recuperaram com louvor e executaram de maneira brilhante o restante da música, fazendo parte do público se esbaldar com a música de abertura do álbum Seventh Son Of A Seventh Son de 1988.

Ficamos no mesmo álbum, agora com  William Shakespeare (The evil that men do is oft interred with their booooones…. but the evil that men do, lives on… and on…”), com ótima performance geral da banda.

As meninas aproveitam para brincarem com o público, enquanto as meninas brincavam de mandar diversos trechinhos de músicas do Maiden, entre elas Where Eagles Dare, Genghis Khan (!), The Rime Of The Ancient Mariner e outros monstros mais b-sides da banda. Chickinson diz que elas poderiam ficar ali tocando a noite inteira que músicas não faltariam no brilhante Iron Maiden, mas que era hora do show acabar, e que a música final não era a escolhida dela… e que elas receberiam o público ao final do show para autógrafos e afins.

Run To The Hills foi mesmo a última música de noite. Aqui vale uma pausa. Desculpem-me se sou metódico, chato, repetitivo, sei lá o que, mas mesmo elas dizendo que “tocam músicas que o original não tocam”, acho que não dá para deixar a música Iron Maiden de fora. Simplesmente, não dá. É ou não é? Enfim… vou dar um ponto positivo pois elas que deixaram Fear Of The Dark de fora, mas Iron Maiden…

A música é muito bem executada por toda a banda enquanto novamente temos a visita de Eddie no palco, fechando uma noite sem BIS. A McBrrraaaain canta! Sim, ela fez vários backing vocals, inclusive nesta última.

O playback de Always Look On The Bright Side Of Life indica que tudo tinha mesmo acabado e, rapidamente, as meninas, de maneira muito simpática, já se dirigem ao balcão de marchandise delas (bastante profissional, por sinal) para delírio do público que queria chegar perto para autógrafos e fotos com as lindas e talentosas garotas. Cortney, claro, foi a mais assediada e tenho aqui que confessar: com todos os motivos do mundo – ela é realmente lindíssima… enfim, devo aqui pedir uma licença poética para dizer que É MUITO GOSTOSA mesmo – né, Playboy?

Aproveitei e bati um rápido papo com ela e principalmente com a versão japonesa de Dave Murray, e aqui perguntei a ela a questão do posicionamento no palco de maneira invertida. Ela deu uma risadinha tímida de recém-chegada e apontou para as outras meninas: “you should ask them”, “você deveria perguntar isso para elas, as outras garotas”. Hahaha, sensacional.

As meninas, acompanhadas de vinho, não fizeram corpo mole e atenderam a todos, mesmo com a tradicional bagunça de quanto não se organiza minimamente uma fila para isso. Elas até pediam para ver as fotos da galera e ficavam atentas com todos os clicks. Parabéns a elas por essa demonstração de carinho com os fãs que, claro, queriam ter um registro com as lindas Donzelas de Ferro!

Up the Iron Maiden(s)!

SETLIST – The Iron Maidens – Estúdio Emme – São Paulo – 18/junho/2011:

Não posso terminar o review sem agradecer a Alê pelo companheirismo e ajuda durante a noite – fotógrafa, observadora de detalhes femininos e ainda anotou o setlist quase sem nenhuma ajuda… 🙂 .

Fiquem abaixo com esta caprichada seleção de mais de 100 fotos delas (de nada, galera, de nada!). Aos marmanjos, um deleite visual. Ah! E aproveitem para descobrir o que Cortney tem tatuado em sua barriguinha… excelente, não? 🙂

This slideshow requires JavaScript.

[ ] ‘s,

Eduardo.



Categories: AC/DC, Accept, Artistas, Cada show é um show..., Covers / Tributos, Curiosidades, DIO, Entrevistas, Iron Maiden, Judas Priest, Kiss, Músicas, MetallicA, Quiet Riot, Resenhas, Setlists, Twisted Sister, UFO

14 replies

  1. Simplesmente sem palavras.
    Animal o review, deve ter sido mais animal ainda o show!!

    [ ]’s
    Julio

    Like

  2. não fui no show, prefiri gastar minha grana pra comprar ingresso pro Nuclear Assault… mas, à julgar pelas fotos, deve ter sido bem lega…
    outra, o cara que tirou as fotoso não tem nada de idiota, né?? a maiora das fotos é daquela loira GOSTOSA, hahahah…. faltou um pouco mais de fotos “Steva Harris” que tbm tem jeito de ser apetitosa, hahahahha….
    ao fotógrafo: MUITO OBRIGADO!!!!!

    Like

  3. Eduardo, seu safadinho!!! hahahaha!!! Tua dona não apelou ainda com vc não? Que fotos com as gatas, hein? São lindas mesmo! Pena que não vieram para BH…
    Ao tirar fotos com umas gatas no show do Paul, em especial com uma morena fofa, muito gata por sinal, tive que tirar do meu Facebook, porque a “rádio-patroa” quase surtou!!!! hehehehe!!!
    UP THE IRONS!!!

    Like

  4. Simplesmente são maravilhosas e tocam muito bem, elas são demais.
    Já tenho o cd delas, agora ver ao vivo é bem melhor!!

    Like

  5. Felipe e Franco, não dá para ser hipócrita e falar que a beleza, charme e simpatia delas não contam, pois contam sim. Mas procurei fazer também um review detalhado da apresentação delas em termos musicais que, no final, é fundamental.

    Elas merecem sim serem credenciadas pela banda de maneira oficial, pois são bastante talentosas!

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

  6. Post publicado em destaque no Road to Metal: http://roadtometal.blogspot.com/

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

  7. Pessoal, minha rápida entrevista para o pessoal do ótimo Wikimetal:

    Eu falo a partir de 41:50, aproximadamente, logo no início da cobertura deles na casa que o show foi feito. Vocês notarão pois falo o nome do blog Minuto HM por lá… 🙂

    Mais deste episódio “Mulheres no Metal”: http://www.wikimetal.com.br/2011/10/042-mulheres-no-metal.html

    Também é possível baixar o podcast pelo iTunes: http://itunes.apple.com/us/podcast/wikimetal/id413579998

    Agradecimentos ao pessoal do Wikimetal.

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Like

  8. Rapaz, o que é isso?? Na época nem fiquei sabendo deste show no Brasil, mas convenhamos que foi melhor assim… seria divórcio certo! Mas realmente, estas mulheres pelo jeito mandam muito bem, tanto no som quanto na performance no palco! Esta é mesmo a formação original? Pergunto porque elas demonstram uma, digamos, saúde de ferro, mesmo com 15 anos de estrada. Devem ter um pacto com Eddie, porque olha…

    Like

    • Caio, é ser muito hipócrita para não falar nada sobre a questão visual delas, que são realmente garotas lindas, mas o que impressiona MESMO é a qualidade do instrumental, especialmente o trabalho nas guitarras, com destaque para a “Adrian Smith”, que inclusive me parece ser a mais conhecedora da linha metal / thrash metal.

      Vale a pena ouvir e se possível, vê-las ao vivo. O show traz muitos elementos que estamos acostumados do Maiden e elas capricham nos detalhes dos shows que estamos acostumados da banda original.

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Like

Trackbacks

  1. Minuto HM – Retrospectiva 2011 « Minuto HM
  2. Cobertura Minuto HM – Rock in Rio 2017 – resenha “resumão” dos shows – Minuto HM

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: