Minuto HM em NY / NJ / DC – o histórico Carnegie Hall

Localizado no Midtown de Manhattan, o Carnegie Hall, inaugurado em 1891 (!), é um daqueles lugares que, mesmo diante da bonita arquitetura desta parte da cidade, chama a atenção logo de cara, até de quem não relaciona a história de eventos musicais destas duas quadras ao sul do Central Park.

A passagem no início de maio deste ano encontrou a lindíssima fachada inspirada no renascentismo italiano com os famosos andaimes que são vistos com muita frequência por toda Manhattan – eles estão sempre restaurando estes edifícios históricos, e isso é ótimo. Mesmo assim, foi possível conferir a parte de fora, feita de tijolos romanos. Nomeado a partir de Andrew Carnegie, responsável pelo pagamento da obra de apenas um ano (!!), a intenção era o lugar abrigar a Oratorio Society of New York e a New York Symphony Society.

Ao longo dos anos e aproveitando os privilégios acústicos de suas salas (Main Hall (Isaac Stern Auditorium/Ronald O. Perelman Stage para 2.804 pessoas; Zankel Hall para 599 e o Weill Recital Hall para 268), muitos e muitos nomes dos mais diversos estilos musicais já se apresentaram por ali. O destaque, claro, é para o Main Hall e seus 5 andares, que começou a receber a New York Philharmonic no ano seguinte à sua inauguração e que, em pleno 2014, ainda nos dá o privilégio de conferir.

Mesmo com suas grandes e controversas reformas ao longo destas décadas, muitas delas onde há a alegação da diminuição acústica do auditório, o Main Hall, frequentemente apontado como uma das principais salas em termos de qualidade sonora no mundo, é algo que qualquer apreciador de boa música que tiver a oportunidade deve conferir na vida. Isso sem contar a Carnegie Hall Tower, um edifício administrativo de 60 andares contruído entre 1987 e 1989.

Falando do tema que mais interessa por aqui no blog, são muitos os nomes do rock e suas variações que já se apresentaram, sendo muitas destas apresentações memoráveis tanto em termos de história quanto performance, especialmente nas décadas de 1960 e 1970.

Anos 1950/1960: Bill Haley and the Comets (maio/1955) | Bob Dylan (novembro/1961) | Beatles (fevereiro/1964) | Rolling Stones (junho/1964) | Chuck Berry (junho/1965) | Mamas & the Papas (novembro/1966) | Elephant’s Memory (fevereiro/1968) | Byrds (setembro/1969) | Led Zeppelin (outubro/1969) | Steppenwolf (dezembro/1969).

Anos 1970: James Taylor (junho/1970) | Jethro Tull (novembro/1970) | Neil Young (dezembro/1970) | Moody Blues (dezembro/1970) | Free (janeiro/1971) | Poco (fevereiro/1971) |Beach Boys (fevereiro/1971) | Tina Turner (abril/1971) | Chicago (abril/1971) | Emerson, Lake, and Palmer (maio/1971 com Mussorgsky’s Pictures na Exhibition and Bartók’s Allegro barbaro, “The Barbarian.”) | Elton John (junho/1971) | Frank Zappa and The Mothers of Invention (outubro/1971) | Pink Floyd (novembro/1971) | Kinks (novembro/1971) | Marc Bolan and T. Rex (novembro/1971) | The Doors (novembro/1971) | Allman Brothers Band (novembro/1971) | Jerry Lee Lewis (dezembro/1971) | David Bowie as Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (setembro/1972) | America (fevereiro/1973) | Doobie Brothers (maio/1973) | Renaissance (junho/1975).

Anos 1980: Stevie Ray Vaughan and Double Trouble (outubro/1984) | Bruce Springsteen (dezembro/1987).

Anos 1990: Sting (março/1991) | 10,000 Maniacs (setembro/1992) | David Byrne (fevereiro/1995) | Band (março/1996) | R.E.M. (fevereiro/1999) | Jefferson Starship (setembro/1999).

Anos 2000: B-52s (dezembro/2000) | Spin̈al Tap (junho/2001 – “reunião” da banda factícia) ; Yo La Tengo (fevereiro/2004) | Björk (novembro/2005) | Cowboy Junkies (fevereiro/2006) | Sigur Rós (fevereiro/2007) | National (fevereiro/2009)| U2 (outubro/2009).

Anos 2010: Living Color (março/2010) | Indigo Girls (outubro/2010) | Flaming Lips (março/2011) | Chris Cornell (novembro/2011) | JAY Z (fevereiro/2012) | Gomez (março/2012) | Lisa Marie Presley (novembro/2012).

Realmente, a lista é grande e credencia com muitas sobras o Carnegie Hall em qualquer disputa em ser um dos mais importantes templos da música de todos os tempos.

Neste 05/maio/2014, a New York Philharmonic abriria os trabalhos do Spring For Music do ano. Iniciado em 2010, o Spring For Music contou com 23 orquestras em 25 concertos no Carnegie Hall. Para 2014, os shows foram do dia 5 ao dia 10, com 6 orquestras diferentes.

CarnegieHall_NY_0488

Logo na entrada, o visitante se depara com o Carnegie Hall Archives que, como o próprio nome sugere, é uma espécie de museu, trazendo desde ferramentas usadas para a construção desta lendária venue, autógrafos, registros administrativos, fotos em painéis lindíssimos e originais da história da música clássica e mesmo de outras áreas de entretenimento, como fotografia, teatro e arte, além de fatos políticos, protegidos com os devidos e esperados sistemas de segurança.

Assim, quem chega cedo pode aproveitar para curtir a história e, claro, fazer compras na estratégica lojinha (como o americano saber fazer como ninguém), tudo isso em um ambiente onde o branco é fundo para a predominante decoração em ouro.

Vamos ao pleonasmo vicioso: a organização, para variar, é impecável. As indicações de lugares são claríssimas e a casa conta com um staff educado e prestativo, especialmente aos deficientes e pessoas mais velhas. Ao chegar no lugar, estava disponível em cada cadeira um folder com os detalhes do espetáculo e uma bandana do Spring For Music – Carnegie Hall 2014.

CarnegieHall_NY_0525

Mas antes do show, pude andar um pouco por todo hall, de ambos lados e até mesmo chegar a pisar no sagrado palco, bem rapidamente e de forma permitida por ainda estar vazio. O show já estava sold out há dias e em pouco tempo, a casa encheu e todos se direcionaram aos seus lugares.

Com o show programado para as 19h30, a apresentação do evento aos presentes se deu alguns minutos antes, e enquanto a orquestra fazia seus últimos ajustes e começava a preencher todos os espaços, o ator, produtor e comediante Alec Baldwin foi convidado ao palco para fazer esta apresentação. Ele é um dos “supporters” do evento e aproveitou a oportunidade para se defender de algumas críticas que a imprensa vinha fazendo à ele, de cunho pessoal, mas também apresentou com muita desenvoltura tanto a orquestra como o próprio evento. E, claro, fez uma ou outra piada, daquelas que só os americanos riem…

CarnegieHall_NY_0526_1

E tudo que se fala sobre a acústica do local se justifica logo que a orquestra inicia os trabalhos. E mesmo os mais ínfimos detalhes de um músico no meio de uma verdadeira avalanche de instrumentos podem ser escutados com clareza. A qualidade é impressionante e leva o público para dentro do mundo do palco.

Conduzida por Alan Gilbert, a orquestra se apresentou por 90 minutos + intermission (intervalo), com direito a um lindo coral de crianças. Não vou me meter a besta aqui e tentar falar mais do show porque realmente eu não conheço o material apresentado na noite, mas os interessados podem acessar este link para uma resenha. O máximo que consegui aprender um pouco na noite foi acompanhar a apresentação pelo material – um americano ao meu lado me dava algumas dicas apontando com o dedo, e logo fui entendendo, mesmo que timidamente, o “esquema” nada elementar aos que não estão acostumados com este tipo de espetáculo.

O que fica disso tudo são ótimas lembranças, vontade de voltar um dia e ver mais e, claro, a dica a todos que puderem presenciar esta verdadeira história-viva da música, seja em um concerto, fazendo a tour, não importa – vale a pena. E, quem sabe em uma próxima oportunidade, poder conferir algum show com guitarras, baixo e bateria, por que não?

[ ] ‘ s,

Eduardo.



Categorias:Artistas, Cada show é um show..., Curiosidades, Entrevistas, Jethro Tull, Led Zeppelin, Living Colour, Off-topic / Misc, Pink Floyd, Resenhas, Rolling Stones, The Beatles

12 respostas

  1. cara, sensacional. excelente esse relato
    que fotos extraordinárias

    Curtir

  2. alias, esse apoio ao deficientes a as pessoas com dificuldade é algo impressionante. percebe-se que o grande numero de pessoas portadoras de necessidades especiais são bem numerosas por que são tratados com dignidade.
    Living Colour….ai sim

    Curtir

  3. Eduardo,

    ótima oportunidade.

    Embora raras, essas oportunidades de encontro com a música erudita (muitas a chamam de “clássica”, quando este é o nome dado apenas a um período da música instrumental na Europa) são sempre nostálgicas para mim.

    Fui criado em um ambiente cristão, que entre outras vantagens, temos o encontro proporcionado pela música sacra com as grandes orquestras; trago como exemplo Ave Maria (Gounod), Jesus Alegria dos Homens (Bach) e Aleluia (Handel). Estes são clássicos da música feita sob inspiração religiosa.

    Estudei clarinete – instrumento sem doce de médio à grave – mas infelizmente hoje não sei tocar uma nota nele. Papai foi músico de orquestra de câmara, numa formação que reunia ele ao clarinete, um cello e um violino e um baixo. Essa linguagem me é peculiar e repito, em outra palavra, saudosista.

    As grandes óperas e peças somadas às canções de Wagner (o compositor favorito de Hitler), Chopin, Mozart, Beethoven – pra falar dos mais populares – estão entre as canções que me emocionam pela sensibilidade, riqueza e devoção musical.

    As similaridades com o metal, fez com que este casamento ocorresse algumas vezes, com alguma felicidade, das quais a que eu mais gosto chama-se “Moment of Glory” do Scorpions. A música alemã – sobretudo a música alemã – tem uma forte dose de erudição e tecnicismo oriundo das tradições elaboradas do período barroco. (obrigado pelo insight pensei em algo para as próximas semanas).

    Em outra oportunidade, havendo tickets (sold out é a melhor expressão para significar: “é bom mesmo, por isso, sorry”), quero sentir deste aroma novamente.

    Abraço,

    Daniel

    Curtir

    • Daniel, valeu pelo comentário e obrigado pela observação sobre a questão da nomenclatura. Como não sabia disso, fiz uma rápida pesquisa na internet e vi as duas terminologias usadas como sinônimos, mas enfim, foi uma pesquisa rápida e nada em locais teoricamente especializados, por isso, valeu.

      Excelente ainda os detalhes do seu background, sem dúvidas tal ambiente proporciona uma riqueza imensurável.

      E sobre o aroma, sim, tendo a oportunidade, o retorno será, com certeza, inesquecível.

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Curtir

  4. Cara, eu estava hospedado praticamente ao lado do Carnegie Hall, mas o pouco que pude ver deles foram trechinhos das fachadas que estavam cercadas de andaimes por todos os lados. É outra das atrações que vão ficar para uma próxima visita, não há dúvida. Também não sou um entendor de música erudita, clássica , seja o que for, mas tenho um profundo respeito pelo estilo e normalmente gosto muito de ver espetáculos do gênero. Junte-se isso a um monumento histórico da cidade americana, e temos um programa imperdível, quem sabe em breve eu resolvo isso….

    Ah: As fotos estão lindas , by the way !

    Alexandre

    Curtir

    • B-Side, os andaimes estavam por lá também, por todos os lados. Olhando ele do nível da “rua”, nem dava o impacto do prédio. Olhando mais de longe, aí sim, principalmente pelo impacto da torre anexa.

      O programa é ótimo mesmo e como comentei, as lembranças justificam com sobras um encaixe de agenda quando por lá, sem dúvidas.

      Valeu pelo comentário!

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Curtir

  5. Ah, eu não comentei , mas esse live do Renaissance no histórico ” venue ” é uma das coisas mais maravilhosas do gênero, e um dos três melhores álbuns da banda, na minha opinião.

    Alexandre

    Curtir

  6. Um melhor conhecimento e entendimento da música erudita é um gap que ainda pretendo “cobrir”. Comprei um livro, que ainda não li, que chama-se algo como “música erudita para idiotas” – perfeito para mim. Um dia chegarei lá.
    Quanto ao post, se destacam as fotos, maravilhosas. E certamente, em uma ida a Nova York tentarei incluir uma visita ao lugar. Presidente, compraste o ingresso com antecedência? E será que eles fazer algum tipo de tour pelo lugar? Fiz algo parecido no Teatro Colon (Buenos Aires), Solis (Montivideo) e Municipal (Rio de Janeiro) e sempre foi muito interessante.

    Curtir

    • Xará, quero agradecer primeiramente pelo comentário e assim como você, eu também devo um conhecimento um pouco maior. Estes passeios sempre ajudam neste sentido, de qualquer forma, e também fomentam o interesse.

      Sobre o ingresso, sim, comprei com antecedência e isso é mais que necessário, pois se esgotam rapidamente. Ao planejar a viagem, recomendo dar uma olhadinha no calendário para ver o que pode interessar e quando abrem as vendas.

      Com relação a fazer o tour, a resposta é sim também, assim como para a maioria das casas americanas. É aqui: http://www.carnegiehall.org/Tours/

      Ainda devo alguns posts desta série por aqui no blog, dois deles muito especiais, e relacionados a tours em lugares lendários como este. Eu chego lá! 🙂

      [ ] ‘ s,

      Eduardo.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: