26º Podcast Minuto HM – 16/dezembro/2016

Fechando o ano de 2016 de podcasts com mais uma edição com todos os sabores que justificam nossa reunião trimestral existir…

…uma hora e meia de nada no começo, discussões de cinema, internet, tiração de sarro com modismos regionais, desabafos de todos os lados, um Flavio mais parecendo um Eduardo de nervoso, a excelente manutenção do Kelsei com um “presente de Natal” ao blog (quem não sabe, terá que ouvir), as participações sempre excelentes do Claudio e do meu xará… por fim, B-Side e um viajado Rolf – todos fazendo concessões e vencendo o cansaço / sono, além de conexões de internet duvidosas e um Skype cada vez menos confiável para mais uma edição fantástica de mais de 8 horas e meia de papo!

Assim, participaram nesta edição:

  • Eduardo [dutecnic] como host;
  • Flavio Remote;
  • Alexandre B-Side;
  • Claudio
  • Kelsei;
  • Eduardo Schmitt ;
  • Daniel e
  • Rolf.

Ausências também foram sentidas. A inaceitável do Marcus Batera – é um brincalhão este rapaz, ficamos sem falar (mais) do último ensaio como deveríamos. Além disso, presenças como as do Itamar, Abilio e J.P. (e sem a “Enciclopédia”, o sorteio de mais um dos CDs da coleção dele ficou para outra oportunidade também), além de outros que já tiveram participações – e daqueles que nunca entraram mas participam de alguma forma do blog. Quem sabe em 2017 isso não muda? O podcast ficaria ainda mais sensacional com o máximo de pessoas participando!

Já sobre os álbuns a serem escutados, dada a indicação do disco do Allman Brother Band ter sido do Schmitt mas ele ter sucumbido no final, novamente deixaremos o disco para a próxima edição – a última, imagino :-).

Já sobre o “throwdown mais fácil da história do blog”, o VH 1 x VH 2, tivemos uma Alemanha avassaladora unanimidade: 7 a zero favorável ao disco de estreia da banda, de 1978. Ninguém conseguiu falar “mal” do VH 2, mas como disse desde o começo, que moleza esse throwdown…

Vale também agradecer pela ótima indicação do Kelsei quanto ao disco do Riverside, bastante apreciado pela galera em geral – e abaixo deixo algumas opções de shows da banda adicionalmente ao citado de 2006 – além de lamentar pelo recente falecimento do guitarrista da banda, realmente uma grande perda de uma banda que ficou com seu futuro indefinido…

Falamos também do novo disco do MetallicA, outra unanimidade no que tange à qualidade geral do disco, mas com uma ressalva aqui e eli. Muitos comentários foram feitos, vale a pena escutar o podcast, claro, quem não esteve presente…

_________________________________________________________________________

E algumas das “doideiras” mencionadas em algum momento:

When You Wish Upon A Star – Gene Simmons (1978)


Karaoke Carpool – alguns exemplos:

_________________________________________________________________________

O podcast pode ser ouvido (por streaming) e/ou “baixado” no 4shared aqui (274 MB). Para fazer o download em formato MP3 para seu computador, clique no botão “Download Now” – o arquivo virá com a tag já devidamente formatada para seu MP3 player.

O teaser da edição anterior, em mais um trabalho cirúrgico do B-Side, também foi apreciado. Para conferi-lo / baixá-lo em seu computador / celular / tablet (9,6 MB), use o iTunes ou o 4shared.

Já sobre a lição de casa, além da manutenção do álbum do Allman Brothers, como dito mais acima, temos para o primeiro podcast de 2017:

Álbuns:

  • Gambling With The Devil (Helloween) – sugestão do Kelsei endossada pelo Remote e
  • I Will Be There (Gogmagog) – sugestão de EP do Eduardo após 4 curiosidades contadas pelo Kelsei sobre Iron Maiden.

Throwdown Kiss sugerido pelo Remote:

Ok, ok… também há uma nova lista a ser feita – entretanto, não posso prometer que a farei…

  • IRON MAIDEN – dos 4 melhores álbuns do Iron Maiden para você, escolher as 10 músicas “menos estrondosamente fantásticas”. Boa sorte a quem for fazer…

playlist em nosso canal no YouTube (não deixem de se inscreverem no canal) está atualizada com os álbuns e throwdown desta edição:

E assim fechamos – e cumprimos – nosso bate-papo de 2016 com 4 edições no ano. As agendas de todos estão cada vez mais difícil em conciliar, então deixo mais um agradecimento especial a todos que fizeram um esforço em participar. E não posso deixar de falar: galera, façam um esforço para participarem desse “Happy Hour virtual”, que sempre é agendado com antecedência.

Para o próximo, a previsão inicial é para 17 ou 24 de fevereiro de 2017. Em jan/2017, rola o post de convite oficial e a definição da data. Mas já se programem, não custa nada…

Até lá!


Atualização em 23/dez/2016 (enviado pelo Kelsei) – especialmente para quem esteve no último ensaio no Rio e também neste podcast: a letra da música tem o “bota”, mas depois não é cantada certa pelos cariocas… ou seja, quem estaria certo, finalmente?

escravos_de_jo

[ ] ‘ s,

Eduardo.



Categories: Aerosmith, Agenda do Patrãozinho, Alice in Chains, Artistas, Black Sabbath, Blaze Bayley, Cada show é um show..., Covers / Tributos, Curiosidades, Deep Purple, Def Leppard, DIO, Discografias, Dream Theater, Exodus, Guns N' Roses, Helloween, Instrumentos, Iron Maiden, Judas Priest, Kiss, Led Zeppelin, Marillion, Mötley Crüe, Músicas, Megadeth, Mercyful Fate, MetallicA, Minuto HM, Motörhead, Nightwish, Off-topic / Misc, Pantera, Pink Floyd, Podcasts, Queen, Rainbow, Resenhas, Rival Sons, Scorpions, Setlists, Slayer, The Beatles, The Police, Thin Lizzy, Van Halen, Whitesnake, Yngwie Malmsteen

6 replies

  1. Primeiro destacar que o bate papo é sempre legal, com as viajadas naturais, mas rodeando e atingindo nosso ponto fundamental que é o rock n roll.
    Alguns pontos:
    A lamentar a bagunça nética do Claudio que fez falta.
    Kellsei mais uma vez um destaque de opinião fora do muro, simples direta e no ponto.
    Òtimo contarmos com o Daniel que trouxe novas e ótimas discussões, o Rolf naquela enrolação “as always” e Schimmit, que por sair mais cedo, nos fez manter a divida Brothers and Sisters. Alexandre em ótima participação e mais um genial teaser.
    Eduardo revoltado com a proposta as piores dos melhores, e já vou arriscar um muro forte, basta olhar ai em cima.
    Aliás já e por aqui, propondo expor os vencedores do throwdown em novas batalhas até sua derrota, explico em fevereiro.
    E para terminar aponto aqui que o Itamar mandou um abraço a todos, estando em recuperação, deve participar da próxima.
    Até 2017.

    Like

  2. Pessoal, mais uma vez obrigado pela excelente noite e o excelente papo. Faltaram alguns amigos e uma pena que a conexão do Cláudio não nos deixou ter mais da sua sempre precisa participação. É bom saber da recuperação do Itamar e da sua proposta de retornar no próximo podcast de 2017,
    Agradeço a loucura de sempre, aliás esse podcast foi especialmente louco e por vezes tão acalorado que estava difícil de conter alguns dos revoltados por determinado assunto ou proposição.
    Agradeço também ao Kelsei pela ótima dica do Riverside que foi bem acompanhado pelo lançamento auspicioso do novo Metallica. O ” doobie brothers” ficou novamente para o próximo ano.
    Eu daqui já preciso ir baixando o podcast pra preparar um teaser que promete pela dificuldade do áudio bem ruim que o skype nos proporcionou desta vez. A tarefa promete…

    Saudações à todos e até 2017.

    Impagável mesmo foi o Rolf afirmar que não tinha idéia que o VH 1 era tão bom…É um brincalhão…

    Alexandre

    Like

  3. Dessa vez consegui falar um pouco mais que em meu primeiro podcast, até porque tomei menos esporro da minha mulher durante à noite / madrugada 🙂

    É incrível poder conversar com gente estudada e de diferentes gerações, sempre apredendo mais sobre nossa paixão: música!

    Hoje, dia 28, ouvi o último álbum da Riverside, o primeiro sem o guitarrista Piotr Grudzińsk e me foi de arrepiar a espinha. Um álbum bem mais calmo, seguindo algumas linhas do Porcupine Tree, mas claramente influenciado pela morte do guitarrista em 2014. Deixo aqui uma faixa escrita para Piotr, que está no álbum:

    E como nem tudo são rosas, não posso deixar de mencionar aqui o atraso de mais de 2 ou 3 horas do Rolf para ter que ouvir que, entre os quatro piores álbuns do Maiden, estão Killers e Seventh Son of a Seventh Son, simplesmente porque ele resolveu ignorar 25 anos de existência da banda!

    Boas entradas na virada para todo mundo! Bjo nas crianças!

    Like

Trackbacks

  1. Convite – conferência para gravação do 27º podcast do Minuto HM – 17/fevereiro/2017 – Minuto HM
  2. 27º Podcast Minuto HM – 17/fevereiro/2017 – Minuto HM

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: