(Semi) Cobertura Minuto HM – Noturnall e James La Brie – (semi) resenha

Semi: prefixo – meio; denota a ideia de metade, de quase

A intenção era fazer uma cobertura desse show. Mas não foi bem assim. Dia 21 de Abril, essa pessoa que vos escreve encheu a cara de cerveja durante uma festa, à tarde. E olha que o meu raciocínio borracho não foi dos piores: Ah, tem banda de abertura às 19:00 – isso vai até umas 20:00, o Noturnall entra no palco lá pelas 21:00…

Só que o Noturnall entrou no palco às 19:30, com um show que seria dividido em três partes: Noturnall solo, participação de Alirio Netto (recém-escolhido o novo vocalista do Queen) e, por último, participação de James La Brie, o já conhecido vocalista da já conhecida Dream Theater.

Ah é … e eu cheguei às 21:00. Em resumo, o show, dividido em três partes, teve essa pessoa na plateia durante o início da terceira. Mesmo bêbado, não tive dificuldades para ver que tinha algo errado: não tinha fila e a voz que cantava quando entrei no Manifesto era muito bem conhecida – rolava o final da canção Jekyll or Hide.

“Putz…que m$&://@!”. Foi aí que caiu a minha ficha que o Manifesto não ia abrir naquele sábado; que o show era cedo porque era um show extra agendado de última hora. E o que não tem remédio…

Foram cerca de 25 minutos bem legais: ouvi Destined to Burn, também da carreira solo de La Brie. Algumas piadas e elogios no palco entre os músicos e temos a execução de Through Her Eyes, cuja última vez executada no Brasil, se não me falha a memória, foi na turnê do Octavarium, quando pudemos ouvir, pela primeira e, acredito eu, única vez no Brasil, o Scenes from a Memory na íntegra.

E para encerrar a parte do Dream Theater tivemos Pull Me Under, com a participação também de Alírio Netto e Thiago Bianchi no palco. Me pareceu bem aquelas participações do tipo “desce ai e bora cantar” – deu na cara que eles combinaram na hora “quem cantava qual parte” e é possível ver que os vocalistas se perderam em algumas estrofes. O La Brie deu umas “falhadas” mas acho que foi pelo retorno e pela “desordem”, porque todas as outras canções cantadas por ele foram bem executadas.

Antes do encerramento, La Brie comentou que em Junho o Dream Theater está entrando em estúdio para um novo álbum, o que dificultaria os pedidos do pessoal de uma turnê solo em terras tupiniquins. O final ficou por conta de Hey!, uma das poucas canções do Noturnall que eu conheço.

Após ter visto todo o set cantado na Internet naquela noite, fiquei menos <adjetivo impróprio para o post> do que quando tinha chegado ao Manifesto. Vi a maior parte da participação do James La Brie e o que eu acabei perdendo mesmo foi a chance de conhecer mais do Noturnall e do Alírio Netto. Da próxima, é prestar mais atenção.

Até mais! Beijo nas criança!

Kelsei



Categorias:Artistas, Cada show é um show..., Curiosidades, Dream Theater, Músicas, Resenhas, Setlists

9 respostas

  1. Kelsei, valeu pelo “semi” review… parabéns ainda por ter publicado o post de número 1.500 do blog!

    Um post que também é vale como um “wake up call” para todos nós, especialmente para mim, mega atrasado com posts e resenhas por aqui – afinal, isso aqui é um blog, e em um blog, a liberdade é total. Além disso, o mais importante de posts como este, para mim, é registrar o que for marcante para a pessoa, ter a lembrança documentada, e é exatamente o que vi por aqui.

    Eu não só o mais fã de LaBrie, não vejo muita coisa nele e pior – acho sua voz enjoativa como poucos. De qualquer maneira, isso é meu gosto e ter um ícone presente por nossas terras, no realmente ótimo Manifesto Bar (que não deve para nenhum bar gringo de metal, diga-se de passagem) é sempre um ótimo convite, ainda que tenha sido algo tão breve.

    [ ] ‘ s,

    Eduardo.

    Curtir

  2. “semi” muito bom
    Já passei por algumas dessas na vida: ler as coisas e entender outras………..
    Sobre so chegar na hora do que interessa? So faço e as pagamos o preço quando algo sai errado

    Rolf

    Curtir

  3. Bem, Kelsei, o post é muito legal também pelo inusitado do ” semi ” . Se o restante não lhe agradaria, acabou sendo o mais acertado, apesar do risco.
    Em relação ao La Brie, que eu acompanho desde 1996 , mais ou menos, eu acho que ele já encaminhou há algum tempo a descida de perfomance vocal. Through Her Eyes ficou até boa, mas em Pull Me Under não há retorno ou falha técnica de algum microfone que justifique o que eu considero um desastre por parte do vocal do Dream Theater.
    Uma pena, pois a banda tocou muito bem e o primeiro vocalista é excelente.
    Será que ele não dava para testar ele na banda mais famosa ?

    Alexandre

    Curtir

  4. Kelsei nos brinda com uma aula de bom humor na catástrofe da semi pontualidade. Eu e Ale que fomos no Glenn Hughes recentemente, acredito termos corrido um risco semelhante, o que por sorte nossa não se concretizou.
    A resenha, ou a semi resenha está muito engraçada e nos traz uma boa pitada do que foi o encontro, valendo muito a pena a leitura.
    O que não vale mesmo, e eu tenho que concordar com o Ale e a não semi, mas completa catastrófica interpretação vocal de Labrie em Pull Me Under, aliás espero que com o DT ele não tente nada semelhante, que lástima.

    Curtir

  5. Sacanagem menosprezar a banda abertura ;(
    Mas cada um carrega seu karma e o Deus Metal se encarrega de fazer justiça! \m/

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: